Aldi Nord
in ,

Aldi Nord adere à Tony’s Open Chain

O Grupo Aldi Nord é o primeiro retalhista discount a aderir à Tony’s Open Chain, iniciativa gerida pela marca Tony’s Chocolonely, que produz tabletes de chocolate com o objetivo de mudar os padrões vigentes na cadeia de abastecimento de chocolate e contribuir ativamente para a erradicação da pobreza, do trabalho infantil ilegal e da desflorestação.

Através dos seus cinco Princípios de Abastecimento, a Tony’s Open Chain pretende ir mais além do que os requisitos das certificações existentes. Ao introduzir os chocolates Choceur Choco Changer com certificado Fairtrade, o Grupo Aldi Nord está a expandir a sua gama de chocolates sustentáveis e a contribuir para a criação de novos padrões para a indústria do cacau.

 

Princípios de Abastecimento

Para assegurar a produção responsável dos seus novos chocolates, o Aldi implementa os cinco Princípios de Abastecimento da Tony’s Chocoloney: cacau rastreável (todos os grãos de cacau são rastreáveis e o Aldi compra-os diretamente das cooperativas de agricultores através da Tony’s Open Chain. Tal permite uma transparência completa sobre os locais e as condições de cultivo); um preço de cacau mais elevado (os produtores de cacau recebem um prémio adicional ao prémio Fairtrade por cada quilograma de grãos de cacau, o que lhes permite ganhar rendimentos estáveis); agricultores capacitados (o Aldi promove as cooperativas agrícolas que apoiem os agricultores e os ajudem a melhorar a produtividade, bem como a qualidade do cultivo do cacau); parcerias de longo prazo (o Aldi assume compromissos de longo prazo, que permitam rendimentos seguros e oportunidades de investimento aos produtores) e melhor produtividade e qualidade (o Aldi apoia os agricultores a melhorar os seus rendimentos e a desenvolver as suas plantações).

Ao aderir à Tony’s Open Chain, o Grupo Aldi Nord pretende fazer a diferença e conseguir um impacto positivo, juntamente com os produtores, nas cooperativas parceiras e contribuir na mudança das normas que atualmente se aplicam no sector do cacau. “Estamos muito orgulhosos por termos adotado estes princípios e por agora fazermos parte desta missão, onde juntos podemos ter mais impacto. Estamos muito entusiasmados por fazermos esta viagem juntos”, afirma Elke Muranyi, Corporate Responsibility Director do Aldi Portugal.

 

Marca própria Choceur

Para assinalar a adesão a esta iniciativa, o retalhista alimentar desenvolveu três tabletes de chocolate da sua marca própria Choceur, que foram produzidas a partir de grãos de cacau oriundos de cooperativas da Costa do Marfim e do Gana e que respeitam os cinco princípios de abastecimento da Tony’s Chocoloney.

À semelhança do que acontece com as tabletes de chocolate da Tony’s Chocoloney, também os chocolates Choceur do Aldi vêm divididas em pedaços irregulares. O objetivo é sensibilizar os consumidores para as desigualdades existentes entre os vários intervenientes da cadeia de produção.

Os novos chocolates Choceur Preto 70%, Leite com Avelã e Leite com Caramelo e Sal Marinho já estão disponíveis em todas as lojas Aldi em Portugal.

 

Cultivo sustentável do cacau

Em 2020, quase 100% dos produtos que contêm cacau no Grupo Aldi Nord, estavam certificados de acordo com as normas EU-Bio, UTZ/Rainforest Alliance ou Fairtrade, bem como com o Fairtrade Cocoa Programme.

Enquanto membro do Fórum do Cacau Sustentável e através de vários projetos em regiões de cultivo, o Aldi apoia os pequenos agricultores a fim de poder promover a produção sustentável diretamente no local.

férias

Portugueses gastam em média 720 euros em refeições nas férias

L'Oréal

L’Oréal cresce a duplos dígitos