in

75 anos de tradição “em lata”

Em 1938, nascia, na Póvoa do Varzim, a fábrica A Poveira, casa-mãe da icónica marca de conversas Minerva. Criada em 1942, a Minerva é uma das marcas mais conhecidas dos portugueses, famosa pela sua diversidade de oferta de peixe em conserva. Se a marca já é antiga, o seu espírito mantém-se jovem, continuando a surpreender e a inovar no mercado, de que é bom exemplo a sua nova gama de conservas biológicas.

A deusa romana da excelência e sabedoria deu nome à marca, Minerva. A celebrar 75 anos de existência, uma das mais conhecidas marcas portuguesas continua a dar cartas, dentro e fora de portas. As conhecidas latas de conservas chegam já a mercados tão longínquos como os Estados Unidos da América, Peru ou Canadá.

Com 55 referências no seu portfólio, a Minerva tem muito mais do que as conhecidas “latas de sardinha”. A assinalar o seu aniversário, iniciou o ano com uma aposta diferenciadora: uma gama de conservas com ingredientes biológicos. A gama Minerva Bio consiste em quatro referências de peixe (sardinhas em azeite virgem extra biológico, sardinhas em azeite virgem extra biológico e malagueta biológica, filetes de cavala em azeite virgem extra biológico, filetes de atum azeite virgem extra biológico) proveniente de pesca sustentável, preparadas pelo método tradicional português, com ingredientes agrícolas 100% biológicos. “Faz parte da estratégia da marca uma constante diversificação de produtos. A decisão da linha bio foi tomada fundamentalmente tendo em conta as tendências atuais de consumo em Portugal e ao mesmo tempo as solicitações dos nossos clientes”, explica Sofia Brandão, responsável comercial e de marketing da fábrica da Póvoa de Varzim.

Liderança
Se qualidade e excelência são palavras-chave quando se fala em Minerva, a nova gama não poderia ser exceção. À semelhança das restantes referências, também a Minerva Bio é produzida através do método tradicional, o pré-cozido, método centenário através do qual o peixe é cozido a vapor antes de ser enlatado.

Assumido o objetivo de liderar o mercado de conservas com ingredientes biológicos em Portugal, a Minerva espera que a nova gama venha ajudar ao seu crescimento, tanto em vendas como em produção. “Estudos recentes ao consumidor português demonstram que a procura por produtos biológicos também se regista a nível das conservas. No segmento de alimentação natural e saudável, a nova gama posiciona-se como um produto de qualidade, mas acessível a todos os consumidores em termos de preço”, acrescenta Sofia Brandão. Com certificação para a produção e comercialização de produtos biológicos desde outubro de 2014, a marca não descarta a eventualidade de acrescentar ainda mais referências à gama, destacando que a escolha inicial foi realizada com um propósito. “Estes são os produtos base de todas as gamas de conservas de peixe. São também os produtos com maior procura nas conservas Minerva não biológicas”.

Sendo a tradição um dos valores da marca, a inovação não é, de forma alguma, esquecida. Em ano de aniversário redondo, a marca bandeira da fábrica A Poveira quer celebrar junto dos seus consumidores. “Os 75 anos estão a ser celebrados desde janeiro. O ‘programa de festas’ é extenso e vai desde o lançamento de novos produtos, à criação de um selo comemorativo até ao apoio a diferentes eventos. Estamos a ultimar o lançamento de um novo conceito, que esperamos possa surgir nas prateleiras ainda durante 2017. Somos orgulhosamente uma marca com história, que privilegia a qualidade do pescado e o método de produção tradicional, mas somos, ao mesmo tempo, uma marca contemporânea, que acompanha o mercado, ao nível de desenvolvimento do produto e packaging”, revela responsável comercial e de marketing.

A diversidade de sabores e receitas tornaram a Minerva numa marca reconhecida e querida dos portugueses. O seu posicionamento, num mercado fortemente concorrencial, é visto pela empresa como uma mais-valia. “A Minerva é uma marca que não compete nunca em preço, é uma marca que refreia a sua atividade promocional, que pretende ser líder nas conservas de elevada qualidade, conservas que aportam valor aos seus consumidores”, acrescenta Sofia Brandão.

Com mais de metade do ano ainda pela frente, a marca quer fechar o seu 75.º aniversário da melhor forma possível. “Estamos a crescer em vendas no mercado nacional, contudo, os nossos objetivos, como marca, não estão unicamente centrados no mercado interno. A internacionalização da marca é um dos nossos principais focos, pelo que um grande ano de aniversário seria a concretização com sucesso de um projeto de introdução da marca num novo país”.

Este artigo foi publicado na edição 44 da Grande Consumo.

Publicidade

Publicidade

Staples nomeia nova diretora de marketing

Makro organiza encontros internacionais em Cascais