in

22% dos portugueses têm práticas sustentáveis no Natal

O “Observador Cetelem Natal 2019” procurou conhecer as preocupações ambientais e solidárias dos portugueses na quadra natalícia. Os dados revelam que 22% dos inquiridos referem preocupar-se em tornar o Natal ambientalmente mais sustentável.

Numa altura em que, abertos os presentes, os caixotes do lixo se enchem rapidamente, seja com sacos, papéis de embrulho ou outros, o Observador Cetelem quis conhecer as preocupações ambientais dos portugueses. Para o embrulho de presentes, 12% dos inquiridos dizem recorrer a materiais recicláveis, enquanto 7% admite reutilizar embrulhos de anos anteriores. Há ainda quem reutilize os enfeites de Natal e crie os presentes que pretende oferecer (4% em ambos).

Ainda que seja uma preocupação crescente, a esmagadora maioria (67%) indica que não coloca em prática qualquer iniciativa ambientalmente sustentável nesta altura.

Natal solidário

Esta é também uma época mais propícia a causas solidárias, ainda que 73% dos portugueses indiquem que não tem qualquer hábito solidário no Natal.

Os 18% que têm este hábito nomeiam, entre as atividades mais frequentes, a entrega de roupa, brinquedos e alimentos a famílias necessitadas e instituições (8%), a aquisição de postais de Natal de associações como UNICEF (7%) e a entrega de doações em dinheiro a instituições (4%). 1% participa na distribuição da ceia de Natal aos sem abrigo.

O Observador Cetelem procurou ainda saber se há uma relação direta entre o local escolhido para efetuar compras e as práticas ambientais e solidárias do estabelecimento. De 1 a 10, em que 1 é “discordo totalmente” e 10 é “concordo totalmente”, o score médio obtido foi de 4.92, ligeiramente abaixo da neutralidade indicando que as preocupações ambientais e solidárias da loja têm impacto moderado na escolha dos locais onde os portugueses fazem compras.

Publicidade

“Encontrar um equilíbrio entre qualidade, preço, fatores de acessibilidade e sustentabilidade pode ser o segredo para conquistar o consumidor veggie”

5G entra em fase de estudo para aplicação na indústria portuguesa