Vinted
Foto Boumen Japet/Shutterstock
in

Vinted multada por não cumprir a lei de proteção de dados

Uma multa de 2,38 milhões de euros

A Comissão Nacional de Informação e Liberdade, a autoridade francesa para os canais digitais, anunciou que a empresa lituana Vinted, especializada na compra e venda de moda em segunda mão, terá de pagar uma multa de 2,38 milhões de euros.

A sanção foi imposta pela autoridade lituana para a proteção de dados depois de ter acumulado várias queixas contra a empresa desde 2020, principalmente de França, onde se concentra a maioria dos clientes da plataforma.

Em muitos casos, o motivo destas queixas prende-se com dificuldades encontradas pelos utilizadores em relação ao direito à eliminação de dados, reporta a modaes. As queixas foram dirigidas à autoridade lituana para a proteção de dados e a autoridade foi responsável pela realização da investigação do caso da Vinted e pela aplicação da sanção.

A Vinted desaprovou a decisão da autoridade lituana e argumentou que a acusação não tem base jurídica e ultrapassa a legislação atual. Por este motivo, a empresa anunciou que irá recorrer das medidas impostas.

Segundo a autoridade francesa para os canais digitais, a plataforma não alerta para as atividades maliciosas dos utilizadores; pelo contrário, torna essas práticas invisíveis, violando assim os direitos dos utilizadores da sua rede.

A Vinted não defendeu a sua posição e não conseguiu demonstrar que agiu corretamente face aos pedidos dos clientes de direitos de acesso aos dados pessoais.

Em 2023, a plataforma de comércio de moda em segunda mão fechou o seu exercício financeiro com vendas superiores a 370 milhões de euros. A empresa lituana tem mais de 1.500 funcionários e está presente em 19 países da Europa e da América. A plataforma tem atualmente um total de 65 milhões de utilizadores, 39% dos quais são de França, o principal mercado da empresa.

Siga-nos no:

Google News logo

Jorge Neves, Líder Coach Operacional na Leroy Merlin e responsável pelo conceito Naterial, em Portugal

“O interesse dos consumidores por este conceito levou-nos a continuar o nosso plano de expansão da marca”

Safari

Casa Redondo compra Safari à Diageo