in ,

As tendências globais na alimentação e bebidas para 2030

A Mintel anunciou as tendências principais que moldarão as indústrias globais de alimentos, bebidas e “food service” nos próximos 10 anos.

Segundo a consultora, espera-se ver os consumidores a darem ainda mais prioridade às plantas na sua dieta, com a saúde do planeta e a sua própria em mente. Desde cerveja feita a partir de pedaços de cereais rejeitados a recipientes elaborados com resíduos orgânicos de cogumelos, o desperdício alimentar abrirá o caminho para um consumo e inovação mais sustentáveis.

Os consumidores entenderão melhor o que os torna únicos, usando serviços de teste de saúde, aplicações com inteligência artificial e maior recolha de dados pessoais. Enquanto isso, como se espera que vivam mais tempo, muitos desejam aprender como a sua dieta pode beneficiar a saúde cognitiva a longo prazo.

As marcas vão usar ciência e tecnologia para criar novos produtos, reduzir o tempo de produção e reforçar a confiança. Novas regiões produtoras de ingredientes, como as da África e Índia, e inovações agrícolas, incluindo quintas flutuantes, surgirão para combater a insegurança alimentar global.

“Os consumidores recompensarão as marcas que agirem e melhorarem importantes questões sociais. As empresas vencedoras nos próximos 10 anos serão as que impulsionarão a nova era do consumo consciente. Os consumidores conscientes de amanhã procurarão embalagens e produtos ecológicos, além de orientações sobre como tornar as suas dietas mais sustentáveis”, afirma Alex Beckett, consultor da Mintel Food & Drink. “Olhando para o futuro, mais consumidores poderão adquirir conhecimento aprofundado sobre a sua biologia por meio de kits de testes de saúde pessoais que os capacitarão a personalizar a sua dieta. A análise dessas ferramentas informará os consumidores sobre as etapas que precisam passar para lidar com todos os aspetos da sua saúde, incluindo o bem-estar emocional. Como resultado, para ter sucesso na próxima década, as marcas vão ter que disponibilizar ofertas de produtos mais personalizadas”, acrescenta.

A ciência andará de mãos dadas com a cadeia de abastecimento de alimentos para aumentar a produtividade e combater as mudanças climáticas. “Celebrar os benefícios sustentáveis, de saúde e de custo dos alimentos cultivados em laboratório será crucial para educar os consumidores sobre alternativas idênticas à natureza. Mas a indústria de alimentos e bebidas será obrigada a elevar o papel da natureza e dos seres humanos na narrativa dessas novas e modernas soluções. A transparência das informações é essencial para criar confiança num futuro em que os cientistas desempenham um papel tão integral quanto os agricultores”, conclui.

Publicidade

Três quartos dos portugueses consomem batatas fritas de pacote

Surto do coronavírus ameaça cadeia de abastecimento global