in

Tendência de Food Halls mantém-se firme em toda a Europa

food halls Europa

O número de mercados de restauração (food halls, no seu termo em inglês) na Europa aumentou quase 50% nos últimos sete anos, estando atualmente abertos 133 espaços deste género e outros nove em breve, de acordo com o último relatório da Cushman & Wakefield (C&W) sobre os Food Halls na Europa.

O total atual representa um aumento em relação aos 90 espaços abertos ou em desenvolvimento em 2017, altura em que a empresa de serviços imobiliários, que prestou consultoria em mais de 1100 negócios no sector da alimentação e bebidas (F&B) na Europa nos últimos três anos, produziu pela primeira vez o seu estudo aprofundado sobre o subsector. Na altura, os mercados de restauração, que ofereciam comida e bebida autênticas, diversificadas e preparadas na hora, num ambiente comum, estavam a ganhar popularidade rapidamente junto de uma geração mais jovem que procurava experiências únicas e esperava-se que o crescimento continuasse.

Apesar dos confinamentos provocados pela pandemia e dos aumentos de custos imprevistos que obrigaram ao encerramento de alguns food halls, a tendência geral tem sido a adaptabilidade e o crescimento. O conceito tem vindo a ganhar força no Reino Unido e em França, onde 42 e 20 food halls estão abertos ou previstos, e entrou em novos países, incluindo a Bélgica (4), a República Checa e a Irlanda.

Com algumas exceções, em que os proprietários lidam diretamente com os comerciantes de produtos alimentares, a maioria dos food halls envolvem um operador que arrenda o espaço a um proprietário, normalmente por 10-15 anos. O operador é então responsável: pelo arrendamento aos comerciantes de produtos alimentares; pelos espaços de bar, de convívio e de lazer; pelos serviços de gestão, como a segurança e a limpeza; e pela criação da identidade do food hall. Para além disso, existem numa grande variedade de tamanhos – de 300 metros quadrados a 10.000 metros quadrados – e localizações.

Catherine Stevenson, da equipa EMEA Cross Border Retail & Leisure da Cushman & Wakefield e coautora do relatório, afirmou: “um food hall de sucesso é, naturalmente, aquele em que a qualidade da comida é uma prioridade. Os melhores aproveitam também as características únicas da história, da arquitetura e da cultura do seu local. Esta autenticidade transforma uma área de restauração de um local num ponto de referência, atraindo visitantes e desempenhando um papel fundamental na construção de um local. Isto é mais evidente no Time Out Market Lisboa, que se tornou uma das atrações mais populares e frequentemente visitadas em Portugal, transcendendo o seu papel de local para comer para um destino internacionalmente significativo que atrai visitantes de todo o mundo“.

O relatório destaca vários temas-chave que a Cushman & Wakefield espera que influenciem o crescimento dos mercados de restauração nos próximos anos, incluindo:

  • Modelo multiusos: Embora a comida continue a ser fundamental, a vontade de criar uma oferta para todo o dia significa que os espaços sociais polivalentes que acolhem eventos, desde aulas de culinária a convívio competitivo, estão a tornar-se comuns, tal como os eventos empresariais de maior dimensão e as colaborações. Os bares integrados têm sido particularmente bem-sucedidos no apoio aos operadores cujas margens de lucro são reduzidas.
  • Novos formatos: É provável que estes formatos incluam locais de centros de transporte, oferecendo uma maior escolha e experiência aos viajantes, e versões mais pequenas em locais de bairro. A localização é fundamental, sendo necessária uma afluência suficiente de pessoas para apoiar as refeições durante todo o dia, sete dias por semana.
  • Regeneração: La Gare du Sud, em Nice, França, uma antiga estação ferroviária transformada num pavilhão alimentar com 2 400 metros quadrados, é um exemplo notável de edifícios que estão a ser reaproveitados com sucesso. De um modo mais geral, os proprietários de imóveis e os stakeholders da cidade estão a reconhecer que os food halls podem dar nova vida a um local, ao mesmo tempo que constituem um importante ponto de referência da comunidade. O Cambridge Street Collective abriu recentemente em Sheffield como o maior food hall construído para o efeito na Europa, com 2.500 metros quadrados, no âmbito de um projeto financiado pela autarquia e centrado na comunidade da cidade.

Sandra Belo, Associate de Retalho na Cushman & Wakefield, Portugal, refere que: “os mercados de restauração continuam a ser o melhor local para se ir sem fazer reserva, com a garantia de qualidade e diversidade. Embora a comida continue a ser o centro das atenções, existe um interesse crescente nestes espaços como um destino de lazer para clientes de varias nacionalidades. Com o aumento dos custos, os mercados de restauração / food halls evoluíram para se tornarem centros sociais, fomentando um ambiente que incentiva o convívio e conexões significativas”.

Siga-nos no:

Google News logo

Burger King Alenquer

Burger King inaugura primeiro restaurante em Alenquer

Beefeater Peach & Raspberry

Pernod Ricard lança Beefeater Peach & Raspberry