in

“Portugal é um país muito importante na nossa estratégia para liderar o transporte de mercadorias no sul da Europa”

Massimo Marsili, diretor geral de transportes da região Europa do Sul e Marrocos da XPO Logistics

Massimo Marsili, diretor geral de transportes da região Europa do Sul e Marrocos da XPO Logistics, confirma a importância do mercado português na estratégia do operador logístico para liderar o transporte de mercadorias no sul do continente europeu. Com mais de 400 clientes diretos e ativos em Portugal, a XPO encontra-se a introduzir serviços de valor acrescentado, principalmente ligados às entregas na última milha, ainda para mais, numa altura de forte aceleração das vendas online, fruto das disrupções no consumo trazidas pela pandemia. A aposta na inovação e na digitalização é peça basilar da estratégia da empresa, que está otimista quanto à capacidade de recuperação económica em Portugal.

Grande Consumo – A XPO Logistics prolongou a sua parceria com a Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC), em Portugal. O que significa para a empresa a quarta renovação do contrato?

Massimo Marsili – A XPO Logistics tem a honra de estender a sua relação de longa data com a SCC. Na verdade, é um dos clientes mais antigos do nosso portfólio em Portugal. Com esta quarta renovação, continuamos a nossa relação de mais de 16 anos de trabalho conjunto, o que nos reafirma como um dos seus parceiros de maior confiança.

 

GC – Quais são os desafios de ser a parceira de transporte chave da SCC, tendo em conta o volume transportado e a multiplicidade de distribuidores e clientes?

MM – Um dos grandes desafios desta sólida aliança é responder de uma forma ágil, flexível e eficiente aos grandes volumes de procura da SCC. Somos responsáveis pela gestão de todo o transporte primário das marcas produzidas e comercializadas pela SCC, tais como as cervejas Sagres e Heineken ou as águas minerais Luso e Castello, desde as diferentes fábricas até aos distribuidores em Portugal. Esta é uma operação bastante complexa, devido aos elevados volumes de carga da SCC, com picos sazonais de procura.

A fim de satisfazer as necessidades da SCC, a XPO tem, há vários anos, uma torre de controlo à sua disposição, com uma equipa totalmente dedicada à distribuição de todos os seus produtos. Flexibilidade, disponibilidade de recursos e controlo de eficiência são as pedras angulares das operações do XPO para a SCC.

GC – Como é que a XPO Logistics lida com picos sazonais, nomeadamente, nos meses mais quentes do ano, com elevados volumes de carga?

MM – Temos esta torre de controlo, que funciona a partir das instalações da SCC. Graças a esta solução, podemos monitorizar continuamente, ao longo de todo o ano, com um peso muito proeminente nos meses de verão. Desta forma, podemos planear e coordenar todos os fluxos de transporte de forma adequada, dedicando mais recursos, se necessário, para assumir os picos sazonais de procura.

 

GC – Em termos gerais, que iniciativas tem tomado a XPO Logistics para reduzir a sua pegada de carbono? Quanto à frota dedicada à SCC, também foram tomadas medidas de forma a tornar a logística mais sustentável?

MM – A XPO tem um forte compromisso com a sustentabilidade. Ainda mais em Portugal, que é um país muito importante na nossa estratégia para liderar o transporte de mercadorias no sul da Europa, onde trabalhamos há mais de 25 anos e temos mais de 400 clientes diretos e ativos.

A empresa fez um investimento muito significativo para promover a sustentabilidade na sua frota. Não devemos esquecer que, durante 2020, triplicámos o número de entregas ao domicílio do nosso serviço Last Mile para produtos volumosos, em resultado dos novos hábitos de consumo, que surgiram desde o início da pandemia.

Esta evolução na procura justifica, ainda mais, a implantação de veículos ambientalmente responsáveis e inovadores. A nível europeu, temos mais de 200 camiões a gás natural liquefeito, dois dos quais fazem parte das operações da CEC, que nos permitem reduzir a nossa pegada de carbono, emitindo 70% menos dióxido de azoto do que o limite permitido pela regulamentação europeia em matéria de emissões.

Graças aos 25 mega-trucks da XPO na Península Ibérica, podemos reduzir o número de viagens necessárias para o transporte de grandes volumes de carga. De facto, na operação para SCC também utilizamos dois destes mega camiões para distribuir todos os seus produtos. Além disso, a frota dedicada à SCC tem uma elevada percentagem de veículos autorizados a transportar 44 toneladas. Ao aumentar a carga por viagem, reduzimos o número de viagens necessárias e, com isso, a pegada de carbono.

A frota europeia da XPO é uma das mais modernas do sector. Os nossos camiões têm, em media, apenas três anos e quase todos cumprem as normas Euro V, EEV e Euro VI. Tal como estamos a fazer com a SCC, através da utilização de mega-trucks e camiões LNG, continuaremos a trabalhar em conjunto com os nossos clientes para implementar novos serviços de valor acrescentado que satisfaçam os seus novos requisitos ambientais.

 

“A empresa fez um investimento muito significativo para promover a sustentabilidade na sua frota. Não devemos esquecer que, durante 2020, triplicámos o número de entregas ao domicílio do nosso serviço Last Mile para produtos volumosos, em resultado dos novos hábitos de consumo, que surgiram desde o início da pandemia. Esta evolução na procura justifica, ainda mais, a implantação de veículos ambientalmente responsáveis e inovadores”

 

GC – A tecnologia mobile Drive XPO encontra-se em pleno funcionamento na Europa e em Portugal?

MM – Sim, é um instrumento de apoio essencial para todos os portadores. Há apenas alguns meses, anunciámos que, a nível mundial, assistimos a um aumento de 50% nos downloads da aplicação móvel Drive XPO, com o número total de downloads já a exceder os 300 mil, prova do interesse nesta solução inovadora.

Ao longo de 2020, no auge da pandemia, a XPO incorporou um mapa de pontos de interesse no Drive XPO para ajudar os condutores durante os períodos mais difíceis do ano passado. Utilizando este mapa, os motoristas conseguiram encontrar facilmente estações de serviço, áreas de restauração, casas de banho, chuveiros públicos, pontos de assistência a camiões e outros serviços operacionais essenciais perto da sua localização. Evitaram parar naquelas instalações que estavam fechadas devido a restrições pandémicas.

 

GC – Quais são as vantagens na utilização desta aplicação?

MM – O Drive XPO fornece informações, em tempo real, às transportadoras sobre a situação da estrada, o tráfego que podem encontrar e recomenda as melhores rotas e o melhor momento para fazer entregas. Como resultado deste aconselhamento, as transportadoras são capazes de distribuir mais eficientemente e beneficiar da otimização de rotas, o que resulta, em última análise, numa quilometragem reduzida e numa pegada de carbono reduzida para cada viagem.

 

GC – Nesta altura, é difícil falar-se de logística e não se falar da pandemia. Como é que este momento foi e ainda está a ser vivido na XPO Logistics?

MM – A logística e os transportes foram um dos sectores motores da economia em 2020 e continuam a sê-lo, até hoje. Durante as primeiras semanas de Covid, adaptámos rapidamente as nossas operações aos sectores que registavam a maior procura, principalmente grandes supermercados, centros de saúde e consumidores finais através do comércio electrónico. Por exemplo, só durante o primeiro fim-de-semana de confinamento, a XPO distribuiu mais de 10 milhões de quilogramas de fornecimentos a supermercados e grandes armazéns.

Graças à flexibilidade, agilidade e empenho de cada um dos nossos empregados, conseguimos estar à altura das expectativas e recebemos o reconhecimento da sociedade. Cumprimos o nosso principal objetivo de manter as nossas equipas seguras, fornecendo-lhes equipamentos de proteção individual para que pudessem continuar a trabalhar com todas as garantias e a servir os nossos clientes e cidadãos.

Estamos actualmente concentrados na distribuição de entregas ao domicílio através da nossa última milha de bens volumosos. A procura da Last Mile está a crescer a dois dígitos e cada vez mais empresas estão interessadas neste serviço.

De facto, durante a pandemia, fechámos importantes acordos com novos clientes, tais como a MediaMarkt, para entregar os seus produtos grandes e volumosos em toda a Península Ibérica e aumentar a experiência do consumidor dos seus clientes.

 

“Durante as primeiras semanas de Covid, adaptámos rapidamente as nossas operações aos sectores que registavam a maior procura, principalmente grandes supermercados, centros de saúde e consumidores finais através do comércio electrónico. Por exemplo, só durante o primeiro fim-de-semana de confinamento, a XPO distribuiu mais de 10 milhões de quilogramas de fornecimentos a supermercados e grandes armazéns”

 

GC – A pandemia fez aumentar as encomendas via e-commerce. Que outras mudanças notaram na vossa operação?

MM – É evidente que o comércio electrónico cresceu tremendamente durante o último ano, na realidade, o nosso serviço de logística de recolha de encomendas de comércio electrónico cresceu 40% desde o início da pandemia.

Os hábitos dos consumidores estão a mudar a um ritmo muito rápido. Há muito interesse em produtos de bricolage, mobiliário de exterior, principalmente mobiliário de jardim e de terraço, artigos domésticos, electrónica de consumo e equipamento de fitness. Por este motivo, para além do serviço de comércio electrónico, a partir da área dos transportes, reforçámos o serviço Last Mile. Um novo serviço, especializado em entregas ao domicílio de produtos pesados e volumosos que requerem operações especiais, tais como entregas com duas pessoas e serviços de valor acrescentado, tais como instalação, montagem ou remoção e reciclagem de aparelhos antigos.

Durante os meses de confinamento, quando o único canal disponível para o consumidor estava online, triplicámos o número de entregas ao domicílio para 4.500 por dia. E para continuar a fornecer o melhor serviço possível aos nossos clientes, expandimos a nossa frota de entregas ao domicílio em 40%.

 

GC – É possível pensar-se numa transformação no comportamento do consumidor, após a crise sanitária?

MM – Sem dúvida. O confinamento em casa ajudou a consolidar tendências como as compras online. Perdeu-se o medo de partilhar certos dados. Mesmo aqueles mais velhos, que no início estavam bastante relutantes em deixar os seus dados na Internet, estão cada vez mais habituados a fazer compras desta forma. Aperceberam-se da sua conveniência.

À medida que o processo de vacinação avança, o negócio de certos sectores irá recuperar, tais como as lojas de moda física. No entanto, existe uma grande percentagem de vendas em linha que se manterá. Por exemplo, um relatório recente da Salesforce indica que as vendas online em Espanha aumentaram 65%, só durante o primeiro trimestre de 2021, um número que é bastante indicativo do que está para vir.

 

“À medida que o processo de vacinação avança, o negócio de certos sectores irá recuperar, tais como as lojas de moda física. No entanto, existe uma grande percentagem de vendas em linha que se manterá. Por exemplo, um relatório recente da Salesforce indica que as vendas online em Espanha aumentaram 65%, só durante o primeiro trimestre de 2021, um número que é bastante indicativo do que está para vir”

 

GC – Em relação ao e-commerce, qual é a quota que a XPO detém atualmente na Península Ibérica?

MM – O comércio electrónico tem um peso muito específico no nosso volume de negócios. A XPO é líder em logística de comércio eletrónico, na Península Ibérica e no resto da Europa. O comércio eletrónico e as operações logísticas de retalho representam 31% do nosso negócio na Península Ibérica.

 

GC – Com que tipo de clientes trabalha a XPO Logistics em Portugal?

MM – A XPO trabalha, em Portugal, há mais de 25 anos, onde servimos mais de 400 clientes diretos e ativos. Temos uma carteira muito diversificada. Trabalhamos para as principais marcas nos sectores têxtil, eletrodomésticos e mobiliário, alimentação, distribuição, consumo e bebidas, perfumaria, acessórios e bricolage.

O sector da distribuição e das bebidas é bastante importante em Portugal. Temos um conhecimento consolidado, após três anos de trabalho ao lado da Sociedade de Cervejas, um dos nossos maiores clientes neste país.

 

GC – Que avanços tem feito a empresa para endereçar as dificuldades da distribuição na última milha?

MM – Para ter um serviço eficiente de entrega ao domicílio, que oferece uma cobertura completa em toda a Península Ibérica, com um nível de serviço homogéneo e de primeira classe, é necessário ter uma extensa rede de centros interligados. Na XPO, acreditamos que, para avançar em eficiência e otimização, é essencial estar o mais próximo possível dos consumidores finais e fizemos vários investimentos a este respeito, ao longo dos últimos anos.

Temos uma rede capilar de 60 centros de transporte e uma frota de mais de 300 veículos na Península Ibérica. Graças a esta importante presença no território, podemos distribuir para qualquer ponto de Espanha e Portugal com um alto nível de qualidade, rapidez e homogeneidade.

 

GC – Que balanço faz da atividade da XPO Logistics em Portugal?

MM – Em 2020 e até agora, continuámos a consolidar a nossa presença em Portugal. A XPO é líder no transporte especializado de mercadorias paletizadas na Península Ibérica, com mais de 20 mil paletes manuseadas todos os dias.

Estamos presentes nas principais zonas do país através dos nossos sete centros de transporte e distribuição.

A XPO emprega em Portugal cerca de 100 profissionais de transporte e logística diretamente e mais de 300 colaboram numa base regular em atividades de distribuição e carga completa.

 

GC – Em termos de investimentos, o que está previsto para apoiar o desenvolvimento no mercado português?

MM Em termos de investimentos, o nosso objetivo para Portugal é continuar a introduzir serviços de valor acrescentado nas nossas operações “omnichannel”, principalmente ligados à última milha de entregas ao domicílio de produtos volumosos e ao crescimento do comércio eletrónico, e aumentar a nossa carteira de clientes. Confiaremos fortemente na tecnologia e inovação para facilitar ainda mais a vida quotidiana dos nossos colaboradores na área.

 

GC – Como vê o ano de 2021, em termos da retoma económica, quer ao nível do seu negócio, quer ao nível do sector da logística em Portugal?

MM – Estamos particularmente otimistas quanto à capacidade de recuperação económica em Portugal. Dentro de alguns meses, à medida que a vacinação avança, teremos números muito positivos, ainda mais elevados do que o período pré-pandémico.

Acreditamos que, através da inovação, digitalização e adaptabilidade, seremos capazes de emergir mais fortes e identificar soluções que melhor se adaptam às novas necessidades dos clientes. Além disso, a criação da nova região da Europa do Sul e Marrocos, na qual a XPO inclui Portugal, Espanha e Itália, permitir-nos-á dar um passo em frente e alimentarmo-nos das soluções de valor que estão a funcionar noutros países.

Publicidade

Mercadona

Mercadona abre em Guimarães a 9 de junho

Nossa Farmácia

Grupo ADDO Pharm lança farmácia online