Nike
Foto Shutterstock
in

Nike perde margem ao acumular inventário

A Nike aumentou em 5% tanto as receitas como os lucros, no período de 12 meses até ao final de maio. No entanto, 2022 começou de forma pouco promissora, com margens e receitas a diminuírem, devido ao aumento dos inventários e à inflação dos custos.

A saída da Rússia está também a custar à Nike quase 150 milhões de dólares (142 milhões de euros).

Nos três meses até ao final de maio, a margem bruta caiu 80 pontos base para 45%, principalmente, devido a imobilizações de inventário na China e a custos de logística mais elevados. As vendas caíram 1% no trimestre e o lucro líquido foi de 1,4 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros), menos 5%.

Há vários anos que a Nike se concentra nas vendas diretas aos consumidor, reduzindo a sua rede grossista. Ao vender diretamente, pode melhorar mais facilmente as suas margens e ter um bom desempenho digital. O volume de negócios online cresceu 18%, durante o último exercício.

 

Inventário

Durante todo o ano, as receitas aumentaram 5%, para 44,3 mil milhões de euros. O lucro líquido foi de 5,7 milhões de euros, um aumento de 6%. Os custos de marketing aumentaram 24%, principalmente devido a investimentos digitais.

Dois terços do inventário não se encontra nos armazéns da Nike, ainda está em trânsito, diz o CFO Matt Friend. Muitos produtos estão retidos nos portos, por um lado, na China, devido à crise da Covid-19 e, por outro, nos Estados Unidos da América, devido a uma persistente escassez de mão-de-obra.

Matt Friend teme que os problemas de abastecimento persistam até, pelo menos, 2023. “Em comparação com os tempos pré-pandémicos, demora duas semanas mais para levar os produtos aos clientes, especialmente na América do Norte“. Isto leva a custos mais elevados, incluindo para o transporte por mar, o que, por sua vez, se traduz em margens decrescentes.

Para o próximo exercício financeiro, a Nike espera, portanto, uma margem bruta estagnada, na melhor das hipóteses.

Decathlon

Prateleiras vazias forçam a Decathlon a fechar na Rússia

rebranding

Supermercados em territórios ucranianos ocupados alvo de rebranding por parte da Rússia