in

Nike aumenta as suas vendas diretas em 15%

Foto Shutterstock

A gigante de moda e equipamento desportivo Nike terminou o terceiro trimestre do seu ano fiscal com um volume de negócios de 9,9 mil milhões de euros, num crescimento de 5%. Estes resultados foram mais positivos do que o esperado, uma vez que os bloqueios de produção na Ásia não foram muito encorajadores para a empresa.

O lucro líquido caiu para 1,3 mil milhões de euros, uma vez que a fabricante aumentou os investimentos em marketing e tecnologia.

O crescimento mais forte da Nike tem sido observado na América do Norte, enquanto as vendas na China diminuíram. Além disso, as vendas na Rússia e na Ucrânia estagnaram.

Os fortes resultados do trimestre mostram que a estratégia de Consumer Direct Acceleration está a funcionar“, afirma John Donahoe, presidente e CEO da Nike. As vendas da Nike Direct aumentaram 15% (4,6 mil milhões de dólares), devido a uma normalização do tráfego nas lojas da empresa. No entanto, as vendas digitais aumentaram 19%. “Os resultados demonstram a capacidade da Nike de navegar através da volatilidade enquanto continua a servir os seus consumidores“, indica Matt Friend, diretor financeiro do grupo.

A empresa não discutiu previsões para o novo ano.

 

GlobalData

No entender da analista da GlobalData, Emily Salter, o impulso para dominar a venda direta ao consumidor prossegue, com as vendas diretas da Nike a crescerem 15%. “Como a marca continua a reduzir a sua presença no mercado grossista, terminando recentemente as suas parcerias com empresas como Footlocker, Very.co.uk e DSW, as receitas grossistas tiveram um desempenho inferior ao total do negócio, aumentando apenas 1%. Estas retiradas afetarão estes retalhistas, mas ajudarão a cimentar a lealdade dos compradores e a exclusividade do produto na Nike e demonstram a confiança da marca na sua capacidade de conduzir os compradores para os seus próprios canais, com os seus ambientes inovadores nas lojas, a sua proposta online líder de mercado e uma gama de aplicações para aumentar o número de pontos de contacto com os seus compradores“.

 

Publicidade

C&A

C&A encerra a sua filial Canda International

EuroCommerce

EuroCommerce acompanha a resposta do retalho à crise na Ucrânia e procura “inspirar mais ações”