GS1 debate
in

Melhoria no tratamento de dados e personalização da experiência de compra no topo das prioridades das empresas

A GS1 Portugal foi palco da primeira sessão de um ciclo de debates sobre a adaptação do tecido empresarial português ao novo normal. “Digital & Ciência dos Dados” foi o tema da primeira sessão, moderada pelo jornalista João Ferreira. O debate, que contou com a participação dos especialistas Fernando Matos, da Data Science Portuguese Association, Manuel Dias, da Microsoft, e Miguel de Castro Neto, da NOVA IMS, versou sobre as principais mudanças sentidas no sector empresarial e as oportunidades de negócio que resultam da situação pandémica que o mundo atravessa.

O impacto do e-commerce, a importância do tratamento de dados e a adoção de tecnologias e equipamentos com recurso a inteligência artificial foram algumas das temáticas abordadas pelos oradores desta sessão.  Fernando Matos destacou a “enorme capacidade de adaptação das empresas à nova realidade”, que passaram a adotar diferentes tecnologias no seu dia-a-dia.  Manuel Dias reforçou a importância do “apoio às empresas nacionais e internacionais ao colocar à disposição ferramentas que ajudem na sua adaptação ao mundo digital, como é o caso do Microsoft Teams”.

Manuel Dias referiu também que os novos hábitos criados em plena quarentena se vão manter. “Seis em cada oito pessoas que passaram a comprar online vão continuar a fazê-lo, ainda que mantendo a ida às lojas físicas. Neste contexto, é crucial que as empresas invistam no digital, sob pena de, a médio prazo, deixarem de ser competitivas e até deixarem de existir”.

Já Miguel de Castro Neto destacou as oportunidades de negócio que se criaram com este novo normal. “Tirando partido da tecnologia e da gestão de dados em tempo real, as empresas puderam manter o lado humano do contacto com o cliente e a relação de proximidade. Para o especialista em ciência dos dados, é urgente “implementar políticas de data governance de forma a tirar partido dos dados partilhados pelos clientes”.

 

Ligação entre mundo físico e digital

Apesar da imposição das transformações digitais dos últimos meses, para Manuel Dias, “estamos muito longe de estar tudo automatizado, por isso, as pessoas vão continuar a ter um papel preponderante na ligação entre o mundo físico e o mundo digital”. Neste contexto, Fernando Matos exemplificou que “mesmo as maiores plataformas de e-commerce, a nível mundial, pressupõem a existência de uma grande equipa de pessoas a trabalhar nos bastidores”.

Miguel de Castro Neto explicou ainda que “existe um potencial imenso no tratamento dos dados, mas que, para que isso aconteça é essencial promover a literacia das empresas”.

Os três oradores nesta sessão de debate consideram que a recolha e tratamento dos dados, obedecendo às regras do RGPD, poderão ser mais-valias na personalização e melhoria das experiências online dos clientes. Nesse sentido, torna-se também essencial para as empresas o papel da GS1 Portugal, não só na rastreabilidade, como também na implementação de standards para a homogeneização e transparência da informação dos produtos online.

Esta iniciativa, promovida pela GS1 Portugal, tem como objetivo analisar com especialistas e decisores de diferentes sectores como será a retoma económica num contexto de ajustamento à situação pandémica. Para João de Castro Guimarães, diretor executivo da GS1 Portugal, “é de grande importância promover a discussão aberta sobre temas da atualidade, com impacto na atividade da comunidade empresarial, em particular a importância da digitalização e da qualidade dos dados. O sistema de standards e os serviços que disponibilizamos oferecem múltiplas evidências dos benefícios da integração e da interoperabilidade de dados ao serviço da digitalização e desta ao serviço da eficiência dos negócios, ao longo das cadeias de valor. Enquanto entidade parceira de confiança das empresas, a GS1 Portugal propõe-se analisar, mais do que estratégias de mitigação de danos, quais as oportunidades que a nova realidade oferece”.

Insolvências

Insolvências aumentam 52% em junho face a 2019

Loja de bairro

Portugueses preferem comprar no comércio local