L’Oréal
in

L’Oréal reforça compromisso com um futuro da beleza mais sustentável

A L’Oréal apresentou o seu compromisso para a transformação da sua área de Investigação & Inovação, através da adoção de uma abordagem Ciência Verde, com o objetivo de oferecer aos consumidores produtos cada vez mais eficazes, seguros e ambientalmente responsáveis.

Como parte do seu programa “L’Oréal for the Future”, o grupo pretende assegurar, até 2030, que 95% dos seus ingredientes será proveniente de fontes vegetais renováveis, de minerais abundantes ou processos de economia circular e que 100% das fórmulas respeitará os ecossistemas aquáticos.

Esta medida surge numa altura em que a pandemia de Covid-19 está a impulsionar uma procura acrescida de produtos que são, simultaneamente, bons para a saúde e seguros para o ambiente. É neste contexto que a L’Oréal está a abrir um novo capítulo, ao fazer da natureza uma alavanca na criação de alternativas renováveis aos ingredientes à base de petróleo.

 

Ciência Verde

Já em 2020, a L’Oréal alcançou importantes metas neste campo: 80% das matérias-primas é facilmente biodegradável, 59% é renovável e 34% é natural ou de origem natural e 29% dos ingredientes utilizados nas suas fórmulas foi desenvolvido de acordo com os princípios da “química verde”.

De acordo com Nicolas Hieronimus, vice-diretor executivo responsável pelas divisões, “com as ciências verdes, estamos a entrar num novo capítulo para a Investigação & Inovação da L’Oréal, que tem sido uma alavanca fundamental por detrás da empresa, desde a sua criação. A nossa ambição é que, até 2030, sejamos capazes de oferecer a mulheres e homens em todo o mundo cosméticos cada vez mais eficazes, seguros e que respeitem o ambiente“.

Para alcançar esta transição, a L’Oréal reuniu todos os recursos em ciências verdes, incluindo avanços recentes em agronomia, juntamente com novos desenvolvimentos em biotecnologia, química verde, ciência da formulação e ferramentas de modelação. O grupo está também a construir uma série de parcerias estratégicas com universidades, startups e os seus próprios fornecedores de matérias-primas. Barbara Lavernos, diretora de Investigação, Inovação e Tecnologia reforça que, “com recurso às ciências verdes, somos capazes de enfrentar este ambicioso desafio científico e técnico. Esta abordagem baseada na economia circular permitir-nos-á atingir novos níveis de desempenho e descobrir benefícios cosméticos sem precedentes, sem comprometer a qualidade ou a segurança, ao serviço de uma beleza que respeita o planeta“.

 

Maior transparência

A L’Oréal persegue este compromisso de transparência através do seu website “Por Dentro dos Nossos Produtos”. Lançado em março de 2019, o site responde a perguntas do público sobre os ingredientes utilizados nas fórmulas e a composição dos produtos.

A plataforma cobre quase mil ingredientes listados e está agora disponível em 45 países, em oito línguas, incluindo Portugal. Construído com base em avanços científicos, este conteúdo está a ser lançado gradualmente nos websites das principais marcas do grupo (L’Oréal Paris, Garnier, La Roche-Posay, Maybelline, Redken, Essie, Kérastase, Yves Saint Laurent, etc.).

Uma campanha de informação destacando o impacto ambiental e social dos produtos cosméticos foi também lançada em junho de 2020, como parte do programa “L’Oréal for the Future”. A iniciativa está a ser lançada em todo o mundo, em conjunto com a Garnier, e irá gradualmente abranger todas as marcas do grupo.

 

Melhoria contínua

A L’Oréal foi pioneira em alternativas aos testes em animais, criando modelos de pele reconstruída para avaliar a segurança dos produtos. Deixou de testar os seus produtos em animais em 1989, 14 anos antes de tais práticas serem proibidas.

O grupo também tomou medidas para aumentar a sensibilização para estes métodos alternativos na China, onde as autoridades puseram fim aos testes em animais para cosméticos “não funcionais” produzidos internamente, em 2014. Este ano, o governo chinês também abandonou a exigência de que as importações estrangeiras destes cosméticos fossem testadas em animais, sujeitas a um certificado que provasse a conformidade com as Boas Práticas de Fabrico.

A L’Oréal continua a melhorar o perfil ambiental das suas fórmulas. Em 1995, criou um laboratório de investigação para medir e modelar o impacto dos seus produtos nos ecossistemas (água e solo) e na biodiversidade. Um dos objetivos agora definidos passa, precisamente, por ter 100% das suas fórmulas avaliadas, utilizando a sua plataforma de testes ambientais para assegurar que não prejudicam a diversidade dos ecossistemas aquáticos costeiros e de água doce.

MANGO

Mango investe 42 milhões de euros na criação de campus corporativo

veículos

Já só 43% dos portugueses diz gostar de automóveis