in

Logística representa 7% do PIB europeu

A logística europeia está em crescimento. Em 2016, cresceu 2%. Em 2015, tinha já crescido 2,7%, excedendo o aumento do Produto Interno Bruto da União Europeia, que é reportado pelo Eurostat em 2,2%.

Ainda não existem dados relativos a 2017 (embora se estime um novo aumento de 2%) divulgados pelo Grupo Fraunhofer para Serviços da Cadeia de Abastecimento, uma organização que, todos os anos, publica um estudo sobre as 100 maiores empresas de transporte e logística da Europa. A versão mais recente, referente a 2017/2018, apoia-se nos dados financeiros do exercício anterior, ano em que um volume de mais de 19 mil milhões de toneladas de mercadorias foi transportado nos 30 países europeus (para além da União Europeia a 28, o estudo examina a Noruega e a Suíça). Só os serviços de transporte correspondem a um volume de vendas de 470 mil milhões de euros e os de armazenagem a 345 mil milhões de euros.

No total, o sector da logística apresentou um volume de cerca de 1.050 mil milhões de euros em 2016. Como percentagem do PIB europeu, o sector da logística representa cerca de 7%, valor que atesta bem a sua importância e relevância em quase todos os sectores da economia.

Cerca de 50% do volume logístico europeu é fornecido por prestadores de serviços, ou seja, é terceirizado por empresas industriais e comerciais para as empresas de logística. A outra metade está a cargo dos industriais e retalhistas. Devido à influência do crescimento dos contratos B2C, as cadeias de abastecimento estão a tornar-se mais longas, estendendo-se até aos lares dos consumidores.

O segmento de serviços de correio, express e parcel (KEP) está a experimentar um crescimento mais forte na logística, catalisado pela atratividade contínua do comércio eletrónico. Por um lado, abre oportunidades de negócio para empresas que são novas no sector da logística. Por outro, eleva os requisitos que são exigidos aos fornecedores de serviços, cada vez mais orientados para o cliente. Por exemplo, eleva-se o nível de transparência e de informação sobre o estado das entregas.

Movimentos como a aquisição da TNT pela Fedex ou a entrada da XPO Logistics, em 2015, abalaram o mercado de logística europeu. Assim como o número de startups. Como resultado, a digitalização e a inovação estão a tornar-se tópicos cada vez mais relevantes no mercado da logística. Além da pressão operacional da minimização de custos, muitas empresas estão a concentrar-se no uso da digitalização na melhoria de processos. 63% dos operadores inquiridos pelo Grupo Fraunhofer acreditam que, nos próximos dois anos, serão necessários novos investimentos no quadro da digitalização. Tecnologia de sensores, soluções Big Data, análise preditiva, realidade virtual, robótica são apenas alguns exemplos da aplicação da tecnologia à logística.

DHL, Deutsche Bahn, Maersk, Kuehne + Nagel e a francesa SNCF são os maiores fornecedores de serviços de logística na Europa. Nos serviços de grupagem (LTL), a liderança é da Dachser, que ultrapassou a concorrente DB Schenker, vencedora da edição passada. Além disso, subiu três lugares na categoria de transportes especiais, que inclui, por exemplo, a logística alimentar, passando de sétimo para quarto lugar.

Publicidade

Kellogg duplica lucro líquido em 2017

E-commerce e discounters ameaçam formato de grandes armazéns