in

Lidl Portugal está a contratar 500 trabalhadores para responder à procura exponencial de bens

Lidl
Imagem Shutterstock

No âmbito do desenvolvimento do Covid-19 em Portugal e face ao aumento exponencial de afluência às suas lojas, o Lidl Portugal está a contratar 500 colaboradores para continuar a garantir que os cidadãos têm acesso a bens alimentares de primeira necessidade, no atual contexto vivido no país.

A empresa pretende reforçar as equipas das suas 258 lojas e dos seus quatro entrepostos, de norte a sul do país. Para além disso, está há várias semanas a trabalhar com os fornecedores e os vários parceiros da sua cadeia de valor para continuar a garantir o fornecimento de bens aos seus clientes. Isto além da implementação de um conjunto de medidas para reforçar a segurança dos colaboradores, de modo a minimizar os riscos de contágio, nomeadamente reforço do gel desinfetante em todas as lojas e entrepostos, reforço da limpeza de materiais e equipamentos, além do início da instalação de uma estrutura acrílica nas caixas de pagamento, de modo a reduzir o contacto físico, assim como a colocação de marcas no chão para assinalar a distância de segurança, na linha de caixa. Os clientes, por sua vez, estão a ser também sensibilizados para a adoção de boas práticas, apelando não só ao respeito por todos como à manutenção de distância de segurança e ao pagamento por contacless ou MB Way, em vez de dinheiro.

De acordo com Maria Román, diretora geral de Recursos Humanos do Lidl Portugal, “o Lidl quer fazer a sua parte para salvaguardar a economia, a criação de emprego em momentos como estes é fundamental. As equipas têm feito a diferença ao trabalharem arduamente para garantir que os portugueses encontram nas nossas lojas tudo o que precisam, mas esta é uma época sem precedentes e, por isso, elas precisam de mais ajuda, pelo país”.

Os interessados podem consultar as vagas disponíveis em https://empregos.lidl.pt

85% das embalagens de papel e cartão na Europa já são recicladas

centro comercial pós-Covid

COVID-19 pode provocar perdas nas PME de 47 mil milhões em 3 meses