Hotpoint
in

Hotpoint e Electrão sensibilizam para a separação e reciclagem de equipamentos elétricos

A Hotpoint Portugal associa-se ao Electrão – Associação de Gestão de Resíduos,  numa parceria que visa a sensibilização para a separação e correto encaminhamento de equipamentos elétricos usados para reciclagem, com o objetivo de proteger o ambiente.

Depois do alcançado em 2019, onde a Whirlpool, uma das marcas do grupo, conseguiu recolher mais de 400 toneladas de equipamentos elétricos usados, a Hotpoint segue-lhe os passos e, em parceria com o Electrão, pretende plantar duas mil árvores no Parque Natural de Sintra-Cascais, em 2021, apelando também ao correto encaminhamento dos equipamentos usados elétricos para reciclagem.

A Associação Plantar Uma Árvore, que tem como objetivo plantar uma árvore por cada cidadão português, junta-se no terreno a esta campanha de sensibilização. Pretende-se, assim, combater a desflorestação das florestas portuguesas e juntar esforços para promover e manter o território português mais verde e limpo.

 

Como ajudar?

A forma de contribuir para esta campanha é simples. Pode-se entregar os equipamentos elétricos usados num dos pontos de recolha do Electrão, para que seja possível garantir o correto tratamento e reciclagem dos materiais. Saiba mais aqui.

Até dia 31 de janeiro, pode-se também aceder ao Facebook da Hotpoint e comentar a publicação destacada, indicando de que forma se contribui diariamente para proteger o ambiente. A cada cinco respostas, a Hotpoint compromete-se a plantar uma árvore no Parque Natural de Sintra-Cascais, em parceria com a Associação Plantar Uma Árvore.

Através desta ação, pretende-se restituir a floresta nativa e também a sustentabilidade das florestas de espécies vegetais autóctones, estando previsto serem plantadas diferentes espécies de árvores, para potenciar a taxa de sobrevivência, a biodiversidade e a resiliência aos incêndios florestais.

Farmácias Portuguesas

Farmácias Portuguesas lançam site para apoio na parentalidade

comércio eletrónico

Portugueses gastaram mais em comércio eletrónico doméstico