in

Receitas do Grupo Lego crescem 6%

As receitas do Grupo Lego em 2019 cresceram 6%, para 38,5 mil milhões de coroas dinamarquesas, por comparação com 2018. As vendas ao consumidor aumentaram 5,6%, comparadas com o ano anterior, e o grupo cresceu em quota de mercado a nível global.

O lucro operacional foi de 10,8 mil milhões de coroas dinamarquesas, um aumento de 1% face a 2018, enquanto o lucro líquido cresceu 3%, para 8,3 mil milhões. Este crescimento foi atingido apesar do investimento do grupo em várias iniciativas com vista ao crescimento a longo prazo. “Estamos muito satisfeitos com estes resultados e gostaria de agradecer a todos os nossos colaboradores pelo seu incrível contributo. Foi um ano muito forte, em que superámos a restante indústria dos brinquedos e crescemos em vendas ao consumidor e quota de mercado em todos os nossos maiores mercados. Expandimos também a nossa presença em mercados novos, o que nos ajudou a atingir a nossa ambição de levar a aprendizagem através de brinquedos Lego a muitas crianças, pela primeira vez”, afirma Niels B. Christiansen, CEO do Grupo Lego. “A nossa indústria, como muitas outras, está a ser redesenhada pela digitalização e alterações socioeconómicas a nível global. Estamos a aproveitar a nossa forte posição económica para investir em iniciativas que nos vão permitir continuar à frente nestas tendências e permitir um lucro a longo prazo. Isto inclui inovar naquilo que é brincar, inovar no ecossistema dos retalhistas e investir em novas formas de estar no mercado para estarmos sempre bem posicionados para inspirar os jovens construtores das gerações do futuro”.

As vendas ao consumidor do Grupo Lego cresceram em todos os grupos de mercado. Nas Américas e Oeste da Europa, cresceram um dígito e no mercado chinês dois dígitos.

Inovar o portfólio

As gamas que mais venderam foram Lego City, Lego Creator, Lego Friends, Lego Technic, Lego Classic e Lego Star Wars. Lego Harry Potter, Lego Super Heroes (Marvel Avengers) e Lego Disney Princess tiveram também resultados positivos. “Estamos muito satisfeitos com a popularidade das nossas gamas principais, como Lego City e Lego Creator, que, como todos os nossos produtos, dão às crianças infindáveis possibilidades para construir e reconstruir. Estamos também satisfeitos com a performance dos nossos sets de IP (licenças) e com a nova gama Lego Hidden Side, que junta a construção com a realidade aumentada”.

Em 2019, o Grupo Lego lançou a sua primeira campanha global integrada em mais de 30 anos, Rebuild the World, que atraiu novos consumidores para a marca. Adquiriu também o BrickLink, a maior plataforma digital para adultos fãs de Lego a nível global. A plataforma tem mais de um milhão de membros, contando com loja, software de design e uma comunidade onde os fãs podem partilhar as suas construções.

Inovar com os retalhistas

O Grupo Lego expandiu o seu ecossistema de retalho global, abrindo 150 lojas com “branding” Lego, melhorou o site de e-commerce e fortaleceu a sua colaboração com os parceiros de retalho. Tem agora 570 lojas em todo o mundo, com planos para abrir mais 150 em 2020, na sua maioria em território chinês. Os visitantes da loja online aumentaram 27%, em 2019, o que com o progresso positivo com os parceiros de retalho, contribuiu para o crescimento das vendas ao consumidor.

A China mantém-se como um mercado estratégico para o Grupo Lego, que, em 2019, reforçou a sua presença, tendo agora 140 lojas em 35 cidades, incluindo lojas bandeira em Pequim e Xangai. Em 2020, o grupo planeia abrir mais 80 lojas em 20 cidades. Desenvolveu também a sua presença e-commerce em plataformas de parceiros e renovou a parceria com a Tencent, com o objetivo de envolver os consumidores e os lojistas em experiências digitais únicas.

Sustentabilidade

Em 2019, o Grupo Lego manteve os seus esforços para criar um impacto positivo na sociedade e no planeta. Através de programas para envolver as comunidades locais, parcerias e programas de proximidade, Lego levou a aprendizagem através da brincadeira a mais de 1,8 milhões de crianças, em mais de 26 países. Continuou a equilibrar 100% da energia consumida com energia produzida através de fontes renováveis, através de investimentos em energia solar e eólica e lançou o Replay, o programa teste para encorajar quem tem peças Lego que não use a doá-las a crianças que não as possam comprar.

De 2020 em diante, o grupo vai aumentar significativamente o seu investimento em iniciativas sustentáveis, focadas em crianças e no ambiente. Vai também implementar programas nas comunidades locais para levar a aprendizagem através da brincadeira a milhões de outras crianças. Muitas destas iniciativas vão usar o ato de brincar para inspirar as crianças à sustentabilidade. Vai também criar produtos e embalagens mais sustentáveis e, até 2025, todo o packaging será sustentável, incluindo a retirada de todos as embalagens plásticas de uma só utilização. “É cada vez mais urgente e importante que todos ajudemos as crianças a criar um futuro sustentável. Durante mais de 80 anos, vimos como brincar pode ajudar as crianças a desenvolver capacidades para resolver os problemas mais complexos e construir futuros brilhantes. Sabemos que brincar é uma força poderosa e, como tal, vamos continuar a investir em projetos que promovam a aprendizagem pela brincadeira, para ajudar as crianças a perceber a sustentabilidade, agora e no futuro”.

Vendas no sector terciário podem cair 50% em Portugal

Gillette apresenta sistema de barbear desenhado para homens com pele sensível