in

DIA aposta forte em Portugal em 2015

Ricardo Currás, conselheiro delegado do Grupo DIA, considera que aestratégia para recuperar vendas em Portugal, após um exercício de 2014aquém das expectativas, passa por uma forte aposta no investimento, sejaatravés de novos conceitos, seja pela abertura de novas lojas, como também porum maior apoio e proximidade com os franchisados.

Na apresentação dos resultados, que teve lugar hoje, dia 23 de fevereiro, em Madrid, o timoneirodo grupo retalhista espanhol assumiu algum desencanto com os resultados obtidosno exercício que terminou a 31 de dezembro passado mas, por outro lado,reiterou muita confiança num ano de 2015 que irá aportar, de novo, mais valor aogrupo. Além da abertura assumida de novas lojas – maioritariamente na regiãosul de Portugal, ao que tudo indica – o grupo irá ainda apostar na introdução doconceito Minipreço Market, reforçando, assim, a aposta no preço e proximidade. “Este conceito arrancou com melhoresresultados em Portugal do que em Espanha. Trata-se de uma forte aposta do grupoe que vai mais além da mudança cromática de uma identificação azulpara verde; em causa está um conceito de loja que visa estar ainda mais próximodos consumidores”.

Paralelo a isto, o CEO do Grupo DIA anunciou também a introdução doconceito Minipreço Maxi no mercado nacional, assim como um forte investimento nopreço, de modo a que a insígnia possa voltar a ter protagonismo também nesteâmbito. “A guerra de preços foi, em 2014, mais intensa em Portugal do que em Espanha. Razão pela qual énecessário voltar a apostar também na diferenciação de preço, além daintrodução de novos formatos. Não podemos dizer que estamos muito satisfeitoscom os resultados, mas preparámos para recuperar vendas”,acrescenta.

Franchising
A mediática relação com a rede de franchisados também mereceu atençãopor parte de Ricardo Currás que considera este modelo de negócio como uma parteimportante para a recuperação das vendas do DIA em Portugal, através daexpansão do conceito Minipreço Market que, em termos práticos, reside naremodelação até metade do atual parque de lojas Minipreço já este ano. “Minipreço Market seráuma oferta muito diferente  face ao anterior conceito Minipreço, desde amudança de imagem e de serviços”. Mais serviço, melhor oferta, mas tambémum aumento da margem para os franchisados, assim como um reforço do apoio financeiroprestado a esta área de negócio composta por uma rede de 288 lojas em Portugal.

Sobre as queixas de práticas abusivas de “dumping”, o conselheiro delegadodo grupo pormenoriza que se trata de um franchisado e não da totalidade da rede.

Publicidade

IPAM debate mercados para exportação de bens alimentares

Vendas do Grupo DIA em Portugal caem 7,2%