in

Deitamos fora 53,6 milhões de toneladas métricas de equipamentos eletrónicos

Foto Shutterstock

O lixo eletrónico é a categoria de resíduos domésticos que mais cresce a nível mundial. Em 2019, deitou-se fora o equivalente a 350 milhões de navios cruzeiros, ou seja, 53,6 milhões de toneladas métricas, mais 20% comparativamente há cinco anos.

Os dados do relatório “Global E-Waste Monitor 2020” das Organização das Nações Unidas indica que, de todo o lixo eletrónico gerado globalmente em 2019, apenas 17,4% foi recolhido e reciclado. “O que é mais preocupante não é apenas a quantidade de lixo eletrónico que está a crescer, mas também o facto das tecnologias de reciclagem não acompanharem o ritmo desse crescimento”, afirma Vanessa Forti, autora do relatório. “Esta é a principal mensagem: a necessidade necessita de melhorar”.

Em muitos locais do mundo, falta a infraestrutura de reciclagem necessária para lidar com este tipo de resíduos. Em África e na Ásia, pessoas que se dedicam à recolha de lixo, geralmente, fazem eles próprios a desmontagem da eletrónica, uma prática que pode ser prejudicial para a sua saúde e para o ambiente. Também dão prioridade aos produtos mais rentáveis, deixando o resto no lixo. “Para a maioria dos resíduos eletrónicos, os ganhos económicos da reciclagem, no final, são muito marginais. Estes operadores necessitam, mesmo, do apoio dos governos para reciclar”.

 

Dificuldades na origem

Se o foco deverá estar na reciclagem, as dificuldades estão a montante, na fonte, nos consumidores que querem sempre comprar a mais recente tecnologia. Os novos dispositivos tendem, ainda, a ter um ciclo de vida mais curto e a ser difíceis de reparar, o que contribui para o crescimento do lixo eletrónico.

O relatório estima que os frigoríficos e aparelhos de ar condicionado deitados no lixo libertaram 98 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa na atmosfera em 2019. O que representa 0,3% das emissões totais nesse ano. Já a pequena quantidade de lixo eletrónico que foi reciclado preveniu a emissão de 15 milhões de toneladas de CO2.

Vários países começaram a adotar políticas nacionais para lidar com os resíduos eletrónicos, mas apenas 78 têm regulamentação implementada ou em curso. Sem uma ação mais global, os especialistas preveem que, em 2030, o mundo irá gerar mais de 74 milhões de toneladas métricas deste lixo.

Publicidade

IFTHENPAY

Ifthenpay lança solução para aumentar vendas das lojas online

Lavar as mãos

Os comportamentos que vieram para ficar