in

Criada plataforma para ajudar comerciantes locais a vender online

comerciantes.pt

Um grupo de voluntários de várias formações e profissões lançou a plataforma comerciantes.pt, um marketplace sem fins lucrativos, para ajudar os comerciantes portugueses a digitalizar os seus negócios e a vender online, de forma rápida e sem custos.

A ideia surge em tempo de isolamento social imposto pelo novo coronavírus, em que se assiste à crescente necessidade de fazer compras online e a uma maior dificuldade dos comerciantes locais e independentes em adaptarem-se rapidamente a esta realidade.

Esta plataforma distingue-se por estar dedicada a comerciantes locais que, à partida, poderão não estar tão familiarizados com o comércio online. Queremos ajudá-los a passar por este período mais difícil, ajudando simultaneamente todos os que estão em isolamento a poder continuar a comprar localmente os produtos que mais gostam”, explica Fernando Amaral, um dos voluntários responsáveis pelo desenvolvimento da plataforma.

O website comerciantes.pt é um marketplace que serve de montra dos pequenos comerciantes, com uma equipa dedicada a fazer consultoria e apoio técnico, de forma completamente gratuita e sem comissões, enquanto a Covid-19 condicionar a vida e os hábitos de consumo dos portugueses.

Numa primeira fase, o projeto arranca com comerciantes das freguesias do concelho de Lisboa, que tenham capacidade de entrega própria ou através de parcerias, havendo o objetivo de expandir rapidamente para outros concelhos de Portugal. O formulário para aplicação de comerciantes já está disponível em comerciantes.pt.

Para os consumidores, a plataforma oferece uma escolha completa de produtos alimentares e domésticos, disponíveis nas lojas da sua zona de residência. Os interessados podem já registar-se no website para serem notificados quando o serviço estiver disponível na sua localidade.

Covid-19 motivou uma mudança nos padrões de consumo

Covid-19 leva espanhóis a adotar hábitos mais saudáveis

Em que difere a crise Covid-19 das anteriores?

Em que difere a crise Covid-19 das anteriores?