in ,

Conveniência do óleo desafia os benefícios do azeite

O fecho de 2017 veio reforçar as tendências que se foram notando ao longo do ano: os lares portugueses estão mais otimistas em relação às suas economias, despendendo mais do seu dinheiro fora do lar, em categorias como alimentação e vestuário, mas com comportamento oposto dentro de casa. De facto, parece que nos habituámos a racionalizar e gerir melhor o que compramos para dentro do lar e, desta forma, o FMCG continua sem evolução positiva, com -2,7% em volume versus 2016, tendo a alimentação como foco de racionalização.

O aumento contínuo do consumo fora de casa faz com que também a redução do tamanho das cestas para dentro de casa seja contínua, ou seja, compramos menos quantidade cada vez que vamos às compras.

A verdade é que as refeições fora de casa são cómodas e prazerosas e, dentro de casa, não poderia ser diferente. Os portugueses procuram este conforto através dos produtos que levam para dentro do lar, selecionando aqueles que lhes proporcionam prazer e que lhes roubam o menor tempo possível na sua preparação. Desta forma, são as categorias de conveniência e prazer que contrariam a tendência geral e conseguem crescer em volume.

Sendo Portugal um país cuja base da alimentação é a dieta mediterrânica, as gorduras alimentares fazem parte da cultura quando preparamos uma refeição, chegando a 99% dos lares portugueses e, por essa razão, sofrem diretamente com esta ausência de refeições em casa e também com a procura pelo mais prático.

As gorduras alimentares seguem a tendência do total alimentação e fecham o ano no negativo, com uma evolução de -2,7% em volume versus 2016. Mantendo a regularidade de compra, à semelhança do total alimentação, não conseguem porém evitar a redução do tamanho das cestas do shopper.

O azeite é a categoria mais comprada, representando 41% do volume comprado em gorduras alimentares, e é também a maior responsável pela evolução negativa da macro categoria. Em 2017, menos quatro mil compradores adquiriram azeite e os que se mantiveram na categoria reduziram o tamanho da cesta em 2,2%. Ao contrário do óleo que, apesar de ter também as cestas reduzidas, mantém os seus compradores e ganha regularidade de compra.

Um ano difícil para o azeite
Vários fatores fizeram com que o óleo se mostrasse mais resistente que o azeite e entre eles está a questão preço. À semelhança de outras categorias de FMCG, em azeite, o comprador movimenta-se sempre em busca da melhor oferta. Por questões relacionadas com a matéria-prima, a categoria sofreu um encarecimento e, ainda que as marcas tenham feito o esforço para manter o nível promocional, o comprador reagiu ao reduzir a sua cesta, com o fim de reduzir também os seus custos. Desta forma, o azeite perde ocasiões de compra em promoção, ao mesmo tempo que o óleo se desenvolve ao ganhar ocasiões de compra em promoção.

Mas não só o encarecimento do azeite deu a vantagem ao óleo, também as questões de comodidade tiveram um papel fundamental. O facto de os portugueses estarem mais fora de casa é um desafio para todas as categorias de alimentação, mas é o comportamento que adotamos dentro de casa que pode ser um obstáculo ou um aliado.

Na busca pela conveniência, os portugueses aproximaram-se de categorias como peixe e marisco congelado não preparado, pratos prontos congelados e salgados congelados, produtos que sugerem uma maior utilização do óleo na sua preparação. Em oposição, os frescos como proteínas e os legumes foram menos prioritários, o que colocou o azeite numa posição de desvantagem, pela proximidade que tem a este tipo de produtos. E quando se pergunta quais os motivos que levaram ao consumo, no azeite destaca-se o facto de ser saudável, enquanto no óleo o consumidor afirma que é pelo facto de ser rápido e cómodo na preparação dos alimentos.

Assim, apesar de existir de facto uma maior preocupação com a saúde e a alimentação da população em geral, entre o azeite e o óleo prevaleceu a comodidade aliada ao melhor preço.

Margarinas & manteigas
Também as margarinas e manteigas sofrem com a redução das cestas, sendo as manteigas que mais sentem este impacto ao não conseguirem evitar a queda. É através da opção de manteiga magra que a categoria entra no negativo ao perder compradores e intensidade de compra. Apenas a opção de manteiga normal sem sal mantém o nível de compra de 2016.

No entanto, aqui, não é o facto dos portugueses estarem mais fora de casa que impede o crescimento destas categorias, uma vez que o consumo de manteigas e margarinas se centra no pequeno-almoço, onde a tendência é oposta, os portugueses estão a reduzir as ocasiões de consumo do pequeno-almoço fora do lar.

Se nas grandes refeições em casa o facto de um produto nos poupar tempo é essencial, na primeira refeição do dia as preocupações são distintas. Aqui, margarinas e manteigas enfrentam categorias concorrentes, em que se alia o prazer, mas que permitem essencialmente começar bem o dia, com produtos em que reconhecemos o benefício para o nosso bem-estar. Neste sentido, os lares portugueses estão a incluir mais no seu pequeno-almoço categorias como leite sem lactose, sumos de fruta, iogurtes funcionais, águas minerais, cereais e fruta.

Mas não só, categorias complementares ao consumo de margarinas e manteigas, como tostas embaladas e pão fresco também aumentam o consumo neste momento, no entanto, estão a ser utilizadas também com opções mais gulosas, como queijo para barrar, doces e mel.

Desta forma, as gorduras alimentares enfrentam diferentes desafios nos vários momentos de consumo. Enquanto nas refeições principais a praticidade é o fator essencial, fora delas o fator benefício alia-se ao prazer e fazem frente a margarinas e manteigas. Sendo que o maior desafio de todos é perceber como podem as gorduras alimentares facilitar a confeção das refeições e como podem tornar-se mais sedutoras nas pequenas refeições, a fim de recuperar proximidade com o consumidor, melhorando a sua qualidade de vida dentro de casa.

Por Vera Gonçalves, Client Executive da Kantar Worldpanel

Este artigo foi publicado na edição n.º 49 da Grande Consumo.

Publicidade

Tesco encerra site não alimentar

JD Sports abre a primeira loja de 2018 em Vila Real