in

As marcas em que os portugueses mais confiam

Não confiam nos banqueiros, nem nos políticos ou nos juízes. Mas confiam em algumas marcas, as suas marcas de confiança. Fula, Chicco e CTT são as três marcas que mais se distinguem em termos de confiabilidade dos consumidores portugueses, segundo a 18.ª edição do estudo conduzido pelas Selecções do Reader’s Digest.

Neste estudo, é percetível que apenas nove marcas ultrapassam o índice de 75% de confiabilidade dos consumidores portugueses. São elas a Fula (92%), a Chicco (90%), os CTT (89%), a Well’s (85%), a Essilor (84%), a Corega (82%), a Molaflex (79%), a Carglass (77%) e a Era (76%).

Com 60 categorias divididas por produtos e serviços, esta edição demonstra que a grande maioria dos vencedores do ano anterior reforçou a sua posição de liderança. 50 marcas mantêm-se no topo das preferências dos portugueses. Há cinco novas categorias e apenas cinco novos vencedores em categorias que já existiam na edição anterior.

As grandes novidades deste ano são as vitórias da Asus, o novo vencedor na categoria de Computadores Pessoais e Tablets, antes dominada pela Toshiba, que passa para o segundo posto. Na categoria de Sites de Compras Online, a Ebay sobe duas posições e destrona o Continente, vencedor nesta categoria em 2017. Também a Multicare ultrapassa a Medis, que, nos últimos sete anos, ganhou a categoria de Seguros de Saúde, e a Pantene sucede à L’Oréal, que nos últimos anos se manteve invicta na categoria de Produtos de Cuidados com o Cabelo, com a marca Elvive. Num sector em franco crescimento no nosso país, o destaque vai ainda para a Região de Turismo de Porto e Norte, que ultrapassa o Algarve, pela primeira vez, como marca em que os portugueses mais confiam. Em duas novas categorias introduzidas este ano, o Grupo Pestana vence em Cadeias de Hotéis e a MSC Cruises ganha em Companhias de Cruzeiros Marítimos.

Ainda nas novas categorias da edição de 2018, a Perfumes & Companhia vence em Cadeias e Lojas de Perfumaria, a marca Oliveira da Serra arrecada o prémio da confiança nos Azeites e, em Cremes para Dores Musculares e Articulares, o vencedor é o Voltaren. “Não há confiança sem segurança”, diz Maria do Carmo Diniz, responsável pelo estudo Marcas de Confiança, realizado pelas Selecções do Reader’s Digest em Portugal desde 2001. “Não é por acaso que as profissões mais votadas pelos portugueses são os bombeiros, os pilotos de aviação e os médicos, o que demonstra bem a importância do fator de segurança para a atribuição do voto de confiança. Para as marcas, este fator é ainda mais relevante, já que a escolha do consumidor tem uma componente racional e emocional. A decisão de compra assenta na confiança depositada nas marcas, que é algo que estas têm de conquistar. Uma Marca de Confiança é uma marca fiável, eficaz, com justa relação de valor, que transmite segurança e está nas preferências do consumidor, sendo-lhe familiar”, acrescenta.

O estudo apurou ainda as profissões, personalidades e empresários em que os portugueses mais confiam. Os bombeiros continuam a ser a profissão de maior confiança e seguem-se os pilotos de aviação, os médicos e os cientistas/investigadores, todos com valores de confiança superiores a 90%. Já os banqueiros conseguem, este ano, pela primeira vez, igualar os políticos no fundo da tabela, tendo recolhido apenas 7% de confiança.

Marcelo Rebelo de Sousa continua a ser a personalidade que agrega a maioria dos consensos na esfera política, sendo aquele em quem mais portugueses confiam e subindo de 44% para 48% dos votos de muita ou bastante confiança. Também António Costa, o segundo classificado nesta categoria, apresenta uma subida significativa de 10% para 19%. A confiança no atual Governo subiu e, pela primeira vez, mais de metade confia no executivo de António Costa para desenvolver uma efetiva recuperação económica social e política. Por outro lado, a maioria dos portugueses revela que a sua situação económica melhorou nos últimos 12 meses. Cerca de 9% considera mesmo que melhorou muito e 44% que melhorou alguma coisa.

No que respeita à confiança depositada nas instituições portuguesas, é de salientar a confiança no Serviço Nacional de Saúde, que agrega 91% dos portugueses, sendo que, destes, mais de metade (55%) refere que, apesar de confiar no SNS, dispõe de um outro sistema alternativo.

Nas personalidades, à exceção da nova categoria de Atleta ganha por Cristiano Ronaldo que, em anos anteriores já ganhava na categoria de Desportista, não houve alteração dos vencedores. A maior subida vai para Isabel Jonet, que que viu aumentar os seus votos em 15 pontos percentuais, registando 35% contra 20% em 2017, seguida de José Avillez, que passa de 30% para 42%. Rui Nabeiro arrecada 45% dos votos. José Rodrigues dos Santos vence nas categorias de escritor e jornalista e o destaque deste ano vai para a entrada de Salvador Sobral para o segundo lugar da lista de confiança nas personalidades ligadas à Música, uma categoria liderada há vários anos por Rui Veloso.

Marcas de Confiança 2018

Agência de viagens – Abreu (56%)
Águas de mesa – Luso (71%)
Alimentação para animais – Friskies (60%)
Antirrugas de farmácia – Vichy (54%)
Arroz – Cigala (69%)
Aspiradores – Hoover (68%)
Automóveis – Toyota (51%)
Azeite – Oliveira da Serra (61%)
Bacalhau – Riberalves (64%)
Banca – BPI (53%)
Cadeia e lojas de distribuição não alimentar – Worten (54%)
Cadeias e lojas de parafarmácia – Well’s (85%)
Cadeias e lojas de perfumaria – Perfumes & Companhia (54%)
Cadeiras auto para crianças – Chicco (90%)
Cadeias de hotéis – Pestana (34%)
Cafés – Delta Cafés (65%)
Canais de televisão – RTP (31%)
Cartões de crédito – Visa (49%)
Centros auditivos – Minisom (72%)
Cereais de pequeno-almoço – Nestlé (62%)
Cervejas – Sagres (71%)
Colchões – Molaflex (79%)
Companhias de cruzeiros marítimos – MSC Cruises (36%)
Computadores pessoais/tablets – Asus (31%)
Cremes/pomadas para cuidados do bebé – Halibut (56%)
Cremes para dores musculares/articulares – Voltaren (72%)
Detergentes para a roupa – Skip (62%)
Detergentes para limpeza do lar – Sonasol (60%)
Empresas de crédito ao consumo – Cofidis (63%)
Empresas de imobiliário – Era (76%)
Esquentadores – Vulcano (71%)
Estações de rádio – Rádio Renascença (27%)
Fabricantes de papel – Renova (55%)
Farinhas – Branca de Neve (68%)
Fixadores de próteses dentárias – Corega (82%)
Grandes eletrodomésticos – Miele (31%)
Hipers/supermercados – Continente (67%)
Hospitais privados – Cuf (53%)
Jornais – Expresso (33%)
Lentes oftálmicas corretivas – Essilor (84%)
Lojas de bricolage/decoração – AKI (70%)
Lojas de vestuário infantil e puericultura – Zippy (72%)
Nutrição infantil – Nestlé (59%)
Óleos alimentares – Fula (92%)
Operadores de telecomunicações e multimédia – NOS (64%)
Óticas – Multiopticas (72%)
Petrolíferas – Galp (64%)
Produtos de charcutaria – Nobre (59%)
Produtos de cuidado com o cabelo – Pantene (32%)
Produtos de cuidado com o corpo – Nivea (59%)
Produtos de cuidado com o rosto – Nivea (52%)
Regiões de turismo – Porto e Norte (34%)
Reparação de vidro automóvel – Carglass (77%)
Seguros automóvel – Fidelidade (35%)
Seguros (ramo vida/patrimonial) – Fidelidade (42%)
Seguros de saúde – Multicare (24%)
Serviços de correio e logística – CTT (89%)
Sites de compras online – Ebay (15%)
Telemóveis – Samsung (46%)
Vitaminas – Centrum (54%)

Publicidade

Farfetch abre novo polo de tecnologia em Braga

Consumidores a partir dos 50 anos marcam tendências 
de consumo para 2018