in

Alterações no comportamento dos consumidores requerem ajustes nos fluxos de transporte e redes de armazéns

A DHL, juntamente com Richard Wilding, professor de Estratégia de Cadeias de Fornecimento na Universidade de Cranfield, no Reino Unido, publicou um estudo que prevê possíveis mudanças nas cadeias de fornecimento na sequência da atual pandemia. Depois de analisar o efeito da Covid-19 nos motores da cadeia de abastecimento, este estudo propõe algumas estratégias e medidas para definir as cadeias de abastecimento do futuro.

Com base em casos reais, este artigo descreve possíveis situações que o sector logístico poderia enfrentar até à nova normalidade, no que diz respeito ao atual status quo da pandemia. “Com a flexibilização das restrições e a reativação económica em muitas regiões do mundo, é tempo de fazer um resumo retrospetivo sobre a adaptabilidade das cadeias de fornecimento globais“, diz Katja Busch, Chief Commercial Officer da DHL e Head of DHL Customer Solutions & Innovation. “Como especialistas em logística, é importante para nós analisar os desafios e experiências durante a crise nos diferentes sectores e prever o quão adaptáveis as cadeias de abastecimento serão amanhã, no sentido de aconselhar convenientemente os nossos clientes. Como líder global em logística, temos os conhecimentos e a experiência para avaliar a situação ao pormenor”.

 

Futuro 

As fotografias e imagens na televisão eram duras. Muito antes dos países decretarem o confinamento, as prateleiras dos supermercados já estavam completamente vazias. A massa, o papel higiénico, o arroz, os analgésicos, os produtos enlatados, a farinha… tudo estava esgotado. As fábricas e a distribuição mostraram uma reação tardia em relação a flutuações extremas na procura. No final, o ‘gatilho’ não foi o medo de uma perturbação da cadeia de abastecimento causada pelo confinamento. As pessoas estavam a comprar por medo, porque todos os outros estavam a fazer exatamente isso”, explica Richard Wilding. “Como em qualquer crise, não só os pontos fortes do sistema são revelados, como também os seus pontos fracos. Para melhorar, é essencial aprender com estas situações de emergência. No novo normal, se a sua cadeia de abastecimento for a mesma que era antes do coronavírus, está provavelmente a fazer algo de errado“, acrescenta.

As indústrias e as cadeias de abastecimento não serão as mesmas que eram antes do coronavírus. Embora hoje existam apenas alguns vislumbres de como será a nova normalidade, os sectores não passarão diretamente à fase seguinte ao coronavírus com um regresso à atividade normal. Tendo em conta que os cientistas continuam a procurar cuidadosamente uma vacina contra a doença e muitas empresas ainda estão a gerir a crise que se instalou, qualquer regresso ao normal parece ser apenas um objetivo distante. Entretanto, uma fase intermédia (fase pré-normal) irá ocupar o espaço entre o confinamento e o novo normal.

Alguns sectores têm sido mais afetados pela pandemia do que outros, pelo que a sua recuperação será mais lenta. Em qualquer caso, as diferentes implicações para as empresas, cadeias de abastecimento e gestores da cadeia de abastecimento podem ser agrupadas em quatro categorias: questões de adaptabilidade, questões de procura, questões de transporte e armazenamento e, finalmente, questões relacionadas com o local de trabalho.

 

Transformação da cadeia de abastecimento

Antes do novo normal, as cadeias de abastecimento vão ser transformadas para se tornarem mais adaptáveis. Por exemplo, o facto de tanto as instalações de fabrico como de armazenamento terem sido afetadas por bloqueios regionais e legislações distintas, levará no futuro a uma produção e armazenamento mais dispersos, fontes duplas de fornecimento, à realocação ou subcontratação de fornecedores próximos. De acordo com a DHL, em vez de se concentrarem estritamente nos fornecedores de nível um, os responsáveis de cadeias de abastecimento terão de prestar especial atenção aos fornecedores de nível dois e de nível três e verificar se estes são capazes de acompanhar o volume de mercadorias.

A procura também será mais volátil e os gostos dos consumidores poderão flutuar erraticamente, o que poderá aumentar a necessidade de fluxos de transporte e redes de armazenamento flexíveis e alternativas. Enquanto as compras pela Internet serão predominantes e as vendas diretas ao consumidor aumentarão, outros canais e sectores retalhistas irão sofrer alterações. Estes são apenas alguns dos aspetos que têm impacto nas atuais cadeias de abastecimento.

Por último, a configuração dos locais de trabalho pós-coronavírus, para cumprir as normas de distância social e higiene, também afetará as formas de trabalho tanto nos armazéns como nos escritórios. Para o teletrabalho, os sistemas informáticos terão de ser robustos e capazes de suportar uma mão-de-obra dispersa e facilitar o acesso a dados e sistemas apropriados. Os processos de armazenamento têm de se adaptar a novas normas, tais como sistemas unidirecionais, espaços de recolha separados ou áreas de embalagem que respeitem a distância social. Tal como a procura de adaptabilidade ganhará proeminência, o teletrabalho revolucionará os processos estabelecidos, levando a um florescimento renovado de iniciativas de digitalização e automatização.

Publicidade

TruEarth

Tiras de detergente ecológicas TruEarth reduzem em 94% a poluição no transporte

Restauração

Outubro com quebras dramáticas de faturação da restauração e alojamento