in

A contração da Polónia será uma das mais suaves da zona euro

A Crédito y Caución prevê que a contração económica da Polónia, em 2020, não ultrapasse os 3,5%, significativamente abaixo dos 8% esperados para a zona euro.

As medidas de estímulo fiscal relacionadas com a pandemia representam 13% do Produto Interno Bruto (PIB) polaco. Espera-se que o défice fiscal aumente até 8,5%, em 2020, depois de um acréscimo de 0,8% em 2019.

Contudo, a previsão é que a dívida pública polaca feche em 56% do PIB, um nível sustentável. Embora a dívida pública esteja sujeita a um certo risco cambial e seja vulnerável ao sentimento dos investidores internacionais, a sua composição geral continua a ser de baixo risco.

As exportações polacas diminuíram 4,3%, em 2020, uma deterioração que se irá centrar no sector automóvel e de componentes. Contudo, o desempenho da economia polaca está menos dependente das exportações do que outros mercados da Europa central, como a República Checa, a Hungria ou a Eslováquia. O consumo privado representa 58% do PIB polaco, o que reduz a vulnerabilidade externa. Muitas das medidas de estímulo foram dirigidas para a manutenção do consumo das famílias, que terá uma redução de apenas 4,8%.

 

Por sector

Alguns sectores encontram-se gravemente afetados pela recessão económica. Na indústria da construção as margens são muito estreitas, com um aumento do risco de crédito entre os operadores mais pequenos. Devido à atual recessão, as empresas veem-se afetadas pelo adiamento de projetos e pela redução do volume de encomendas. Prevê-se que os atrasos nos pagamentos e as insolvências aumentem em 2020.

O mesmo sucede com o sector automóvel, que sofre uma deterioração das vendas de veículos de turismo e comerciais e um forte endividamento. Como consequência do enfraquecimento da procura desses sectores compradores-chave, as indústrias de máquinas, metalurgia e aço veem o seu desempenho deteriorar-se e as previsões apontam para um aumento tanto dos atrasos nos pagamentos como das insolvências, em 2020, em especial entre as PME.

O sector de bens de consumo duradouros e os grossistas e retalhistas do sector têxtil foram afetados negativamente pelos confinamentos, pela diminuição do sentimento dos consumidores e pelo aumento do desemprego. A solidez financeira de muitas empresas deteriorou-se gravemente e prevê-se que as insolvências aumentem nestes sectores.

 

Brexit

A legislação laboral está a provocar escassez de mão-de-obra, reduzindo a capacidade de produção no sector manufatureiro. Este problema, exacerbado pela redução da idade de reforma, poderia pesar muito no crescimento económico potencial da Polónia.

Na Europa Central, a economia polaca parece ser a mais vulnerável a um fracasso das negociações entre a União Europeia e Reino Unido sobre a sua futura relação. As remessas anuais dos polacos ascenderam a sete mil milhões de euros, em 2019, em grande medida procedentes do Reino Unido.

A longo prazo, a saída do Reino Unido da União Europeia poderia afetar os fundos estruturais de Bruxelas, que desempenham um papel importante no progresso económico da Polónia.

Publicidade

NACEX

NACEX Portugal regista crescimento de 30% no 1.º semestre

Pacto Ecológico Europeu

Sonae subscreve manifesto de apoio ao Pacto Ecológico Europeu