in

Sidras da SCC crescem 123% em volume em 2018

2018 traduziu-se no segundo ano sucessivo de crescimento de consumo de cerveja no mercado nacional, embora com condições climatéricas desfavoráveis, o que atesta a vitalidade do sector, a que o impacto do turismo e o aumento de nível de confiança económica dos consumidores não serão alheios. O consumo per capita manteve-se nos 51 litros, embora ainda aquém dos 61 litros atingidos em 2009, antes do início “da crise”, segundo dados avançados pela Sociedade Central de Cervejas.

A dona da Sagres cita os números da Nielsen que dão conta que o mercado nacional cervejeiro cresceu cerca de 2% em volume, com variação positiva de 3,6% para o canal Horeca e ligeiro decrescimento de 0,3% para o canal alimentar.

Neste cenário, a Heineken consolidou a sua liderança no segmento premium em Portugal com um crescimento de 12,4% em volume face ao ano anterior, num segmento que evoluiu 7%.

Já a categoria das sidras cresceu cerca de 14% em volume, no mercado nacional, versus o ano anterior. Neste contexto, as sidras do portfólio da SCC (Strongbow, Bandida do Pomar e Old Mout) cresceram, em conjunto, cerca de 123% em volume.

Por seu turno, o negócio de águas engarrafadas, minerais naturais e de nascente continuou, em 2018, a ter um comportamento positivo, continuando o seu crescimento em volume, em cerca de 4%, no mercado nacional, que aumentou cerca de 2 %.

Desempenhos que acontecem no ano em que se celebrou o 50.º aniversário da Cervejeira de Vialonga e em que foram feitos dois grandes investimentos, designadamente na climatização do espaço do enchimento de garrafas e na instalação de quatro novos tanques de cerveja filtrada, com a capacidade de três mil hectolitros cada.

Publicidade

Publicidade

Quinta de Chocapalha Vinha Mãe Tinto 2013 entre os Melhores Vinhos de Portugal

Vendas e lucros da PepsiCo crescem em 2018