in

Rússia enfrenta os efeitos da sua estratégia de fortalecimento

Através da austeridade fiscal e de uma meta de inflação credível, a Rússia conseguiu isolar a sua economia dos choques externos nos últimos anos. Moscovo introduziu a chamada estratégia de fortalecimento, após o duplo impacto da queda dos preços do petróleo e das sanções ocidentais pela invasão da Crimeia, que causaram uma desvalorização de 55% do rublo em relação ao dólar, entre 2014 e 2015.

Graças a esta política macroeconómica prudente, tanto fiscal como monetária, o país reconstruiu as suas reservas internacionais e reduziu a sua dívida externa, dando lugar finanças públicas sólidas. No entanto, também regista um crescimento económico estagnado e uma diminuição dos rendimentos reais. Em 2020, a população russa a viver abaixo do limitar de pobreza cresceu para mais de 12%.

A dependência de matérias-primas, um perfil demográfico em declínio, um elevado grau de controlo estatal sobre a economia e um clima de investimento débil pesam sobre as taxas de crescimento da Rússia. De acordo com o mais recente relatório da Crédito y Caución, para aumentar o nível dos seus rendimentos, a Rússia teria de implementar reformas sólidas no sentido de um ambiente de negócios mais dinâmico e capaz de aumentar o investimento estrangeiro direto, dez pontos atrás dos países da Europa de Leste.

 

Regras fiscais

Para amortecer o efeito pró-cíclico dos preços do petróleo sobre a economia, desde 2017, a administração russa opera sob regras fiscais que limitam as despesas federais às estimativas de receita. As vendas de petróleo e de gás são calculadas com base no preço de referência do petróleo e com uma taxa de câmbio projetada entre o rublo e o dólar. Quando o preço do petróleo ultrapassa o valor de referência, como acontece atualmente, o excesso de receita é transferido para o Fundo de Riqueza Nacional e aplicado em ativos externos. Se o preço cair abaixo do ponto de referência, a administração retira dinheiro do fundo, dando estabilidade ao sistema.

Nesse contexto, as finanças do governo central da Rússia podem ser consideradas muito saudáveis. A dívida pública era de 18%, em 2020, embora o défice fiscal se tenha deteriorado para 3,8% ,devido à recessão económica após a pandemia. No entanto, espera-se que a Rússia regresse progressivamente à austeridade fiscal.

 

Inflação de 4%

O segundo pilar da estratégia económica russa é a atuação credível e independente do Banco Central da Rússia para manter a inflação em torno dos 4%. Durante 2020, o banco baixou a taxa de juros oficial várias vezes para estimular a economia. No entanto, a Rússia enfrenta um aumento da inflação, que ultrapassou os 6%, com um aumento dos preço dos alimentos de 9% no comparativo anual.

Desde março de 2021, a Rússia começou a inverter o seu ciclo de relaxamento monetário devido ao aumento das pressões inflacionárias.

Publicidade

Hortas Urbanas Klepierre

Centros comerciais da Klépierre Portugal fazem crescer alimentos saudáveis com as suas hortas urbanas

Estadias Revolut

Revolut entra no sector do turismo com nova funcionalidade de reservas