in

Produção mundial de vinho em 2021 estará em mínimos históricos

Foto Shutterstock

Estima-se que a produção mundial de vinho em 2021 se situe entre 247,1 milhões e 253,5 milhões de hectolitros, um valor extremamente baixo, ligeiramente acima da produção historicamente baixa de 2017, segundo informação recolhida de 28 países, representando 85% da produção mundial de 2020, pela Organização Internacional do Vinho.

O volume previsto para este ano parece ter diminuído 4% face a 2020, que já estava abaixo da média, e é 7% inferior à média dos últimos 20 anos, resultado das condições climatéricas desfavoráveis que afetaram consideravelmente os principais países vitivinícolas da Europa este ano. O hemisfério sul e os Estados Unidos parecem ser exceções a este quadro global negativo e tendem a equilibrar o declínio do volume registado na União Europeia.

Este é o terceiro ano consecutivo em que a produção mundial de vinho está abaixo da média. No entanto, o impacto desta redução no sector vitivinícola global ainda não foi avaliado, devido ao contexto atual em que a pandemia de Covid-19 continua a gerar um grau relativamente elevado de volatilidade e incerteza.

 

Portugal cresce

Na União Europeia, as condições meteorológicas não favoreceram os produtores de uvas, em 2021, e a produção de vinho está estimada em 145 milhões de hectolitros. Este volume representa uma diminuição de 13% face a 2020.

O ano de 2021 revelou-se penalizador para a produção de vinho nos três maiores países produtores da União Europeia (Itália, Espanha e França), que no seu conjunto representam 45% da produção mundial de vinho e 79% da produção vitivinícola da União Europeia. Esta situação deveu-se principalmente às geadas tardias do início de abril. A Itália, ainda no topo da classificação com os seus 44,5 milhões de hectolitros, estima uma queda de 9% na sua produção vitivinícola face a 2020.

A produção também diminui significativamente em países como a Áustria, a Grécia, a Eslováquia ou a Croácia.

Por outro lado, muitos países da União Europeia esperam um crescimento positivo em relação ao ano passado. Por exemplo, a Alemanha, o quarto maior produtor de vinho da Europa, tem um volume de produção estimado de 8,8 milhões de hectolitros, mais 4% do que em 2020, apesar do episódio de geadas tardias que afetaram significativamente alguns dos países vizinhos.

Portugal, com 6,5 milhões de litros, deverá registar um volume de produção de vinho ligeiramente acima do nível de 2020 (+1%).

 

Recorde no hemisfério sul

No hemisfério sul, onde a colheita terminou no primeiro trimestre de 2021, os números preliminares da produção de vinho tendem a ser mais precisos e fiáveis nesta altura do ano. Depois de uma queda acentuada na produção de vinho no ano passado, causada por condições meteorológicas desfavoráveis, 2021 registou um aumento notável entre os principais países produtores.

A produção de vinho estimada para o hemisfério sul em 2021 registou um recorde de 59 milhões de hectolitros, num aumento de 19% em relação a 2020. A ausência de condições meteorológicas adversas este ano parece ter contribuído para colheitas bem-sucedidas e altos níveis de produção de vinho em 2021.

Publicidade

Asda

Donos da Asda mostram interesse na Europa

Assistentes de voz

Transações através de assistentes de voz das Smart TV aproximam-se dos 500 milhões de dólares em 2023