Foto Shutterstock
in

Mais de 25% dos presentes de roupa e calçado comprados online serão devolvidos

Mais de 25% dos presentes de vestuário e mais de 10% do calçado comprados na campanha de Natal serão devolvidos, segundo dados da uSizy.

A taxa de devoluções depende muito das condições estabelecidas por cada operador de e-commerce: se são gratuitas e com recolha ao domicílio, será maior do que quando o cliente assume o esforço do envio e o custo da devolução. Em contrapartida, se o comerciante não as oferece de forma gratuita, enfrentará mais utilizadores indecisos que não finalizam o processo de compra, por medo de ter de devolver e os custos associados, representando, portanto, uma importante perda de vendas”, afirma Iñaki García, CEO da uSizy.

As devoluções representam uma redução das vendas face às vendas potenciais e os custos operacionais associados ao seu tratamento podem chegar aos 15 euros por cada devolução. De acordo com a uSizy, 50% das devoluções devem-se a erros no tamanho do vestuário, percentagem que cresce para 59% no calçado.

A uSizy é uma empresa espanhola que criou uma ferramenta digital baseada na inteligência artificial e machine learning que permite acertar no tamanho, evitando perdas de vendas potenciais e uma elevada taxa de devoluções. Tem como clientes mais de 350 grandes marcas de moda, calçado e desporto, entre as quais a Nike, Levi’s ou Calvin Klein, em mais de uma centena de países. Há alguns meses, lançou uma plataforma baseada em Big Data capaz de prever ruturas de stock, pontos de margem e comportamentos de consumo. “Uma vantagem das marcas mais populares é o volume de dados gerado: tendências, comportamentos, vendas, devoluções, etc., que permite dispor de informação suficiente e de qualidade para tomar decisões automatizadas e validar opções. Por exemplo, a nossa ferramenta permitiu reduzir até 42% as devoluções por erro no tamanho em marcas como a Adidas ou a Nike, mas, graças ao nosso algoritmo de isomorfismo e machine learning criado há três anos, também conseguimos excelentes resultados em marcas com menos volume. A média de redução em mais de 350 marcas, atualmente, é de 28%”, explica Iñaki García.

Para os retalhistas de moda e calçado, o Black Friday converteu-se na ação mais importante do ano em termos de vendas, podendo representar mais de 7% de toda a faturação anual, com um aumento de 280% face a qualquer outro dia do ano. Neste tipo de ações, o preço é a principal variável de compra, pelo que os operadores de e-commerce têm de saber claramente quanto é a sua margem de venda para otimizar as suas operações. De acordo com a uSizy, neste aspeto, a inteligência artificial pode ser determinante. “Dispor de um sistema capaz de prever os melhores preços por produto e tamanho com base na procura real é fundamental para obter a melhor margem nestes períodos. Para quê oferecer um desconto de 20% se a procura real indica que com 15% é suficiente? Ou porquê oferecer o mesmo desconto em todos os produtos e tamanhos, se alguns vendem 40% mais que outros?”.

Outro aspeto determinante para os retalhistas nestes picos de procura é evitar as roturas de stock. A inteligência artificial também ajuda neste sentido, ao analisar o stock passado, o histórico de vendas e a procura real para estimar o volume de vendas futuro e o ritmo de consumo do stock.

Publicidade

Publicidade

Vendas de perfumaria e cosmética crescem 1,7% no mercado ibérico

Aldi lança cotonetes sustentáveis