in ,

“A capacidade de experimentar através do simples uso do telemóvel revoluciona a experiência do consumidor”

Experimentar sapatos sem sair de casa é a função da aplicação que está a ser lançada pelas ASPORTUGUESAS para mitigar as diferenças entre as compras online e offline. Pedro Abrantes, CEO da Ecochic e confunfador d’ASPORTUGUESAS, aborda de que modo a realidade aumentada permite aos consumidores calçar todos os produtos através do aplicativo AR try-on e ter uma experiência real. Desenvolvida sobretudo a pensar na Geração Z, a aplicação ganha também renovada importância nesta altura, tendo em atenção as restrições no acesso às lojas físicas.

 

Grande Consumo – A aplicação AR try-on foi uma reação ao período de encerramento das lojas ou já estava nos planos da marca utilizar esta tecnologia para apoiar o comércio?

Pedro Abrantes – A ideia de ter uma aplicação era já um desejo d’ASPORTUGUESAS, tendo em atenção a análise do panorama internacional do comércio e do consumo. Nesse sentido, a criação da aplicação da realidade aumentada foi uma reação d’ASPORTUGUESAS.

A capacidade de experimentar através do simples uso do telemóvel revoluciona a experiência do consumidor. A premissa é basilar: auxiliar-nos a perceber e a visualizar como um determinado modelo assenta nos nossos pés ou combina com uma determinada roupa. Desta forma, aumentam as probabilidades de efetivarmos a compra correta e, consequentemente, reduzem-se as hipóteses de devolvermos o produto ao lojista”.

GC – Com o e-commerce mais popular do que nunca, é fundamental para as marcas mitigarem ao máximo as diferenças entre as compras online e offline?

PA – Sim, sem dúvida é muito importante. ASPORTUGUESAS, neste momento, é exemplo disso mesmo. Nesse pressuposto, estamos a fazer uma grande aposta online para criar uma maior confiança ao consumidor.

 

GC – A inovação na app é uma estratégia de aproximação às gerações mais novas, nomeadamente a Geração Z. Porquê o foco neste público?

PA – A Geração Z significa longevidade e a nossa aposta é muito direcionada para as novas gerações. Em primeiro lugar, porque uma das nossas preocupações, enquanto marca, é o futuro das novas gerações. Em segundo lugar, porque essas novas gerações têm mais sensibilidade com as novas tecnologias. Por último, e a mais importante razão, é porque as novas gerações são mais preocupadas com a sustentabilidade do nosso planeta.

 

“A Geração Z significa longevidade e a nossa aposta é muito direcionada para as novas gerações. Em primeiro lugar, porque uma das nossas preocupações, enquanto marca, é o futuro das novas gerações”

 

GC – O selo português é um critério importante na hora de comprar?

PA – Infelizmente, penso que ainda não. No entanto, o selo sustentável e natural, associado à cortiça portuguesa, é na minha opinião um certificado de garantia, e o mais importante.

 

GC – Como nasceu a marca ASPORTUGUESAS? Qual é a história por detrás do nome desta marca portuguesa?

PA – A marca ASPORTUGUESAS nasce quer fruto do fascínio, admiração e entusiasmo que sempre nutri pela matéria-prima única, singular, inigualável e com raízes marcadamente portuguesas, que é a cortiça, quer resultado da paixão de sempre pelo universo do calçado.

Lançadas, oficialmente, em março de 2016, como a primeira marca do mundo a produzir flip flops de cortiça, ASPORTUGUESAS combinam inovação, criatividade e sustentabilidade. Manufaturadas, então, a partir de cortiça, um material 100% natural, ecológico, renovável, reciclável e reutilizável, ASPORTUGUESAS incorporam atualmente outros elementos igualmente ecológicos. A adoção plena das práticas da economia circular na produção d’ASPORTUGUESAS traduz-se, a título de exemplo, na gáspea que é obtida a partir de plástico recuperado nos oceanos. Um passo para o qual terá contribuído decisivamente a entrada, em 2017, da Kyaia nesta joint-venture com a Corticeira Amorim.

ASPORTUGUESAS procuram também alertar os cidadãos para as questões ambientais do planeta, contribuindo com a sua pegada positiva para um futuro mais sustentável. Na verdade, damos muito valor à sustentabilidade, acompanhando de perto as preocupações generalizadas das sociedades quanto ao combate às alterações climáticas. ASPORTUGUESAS são o nosso contributo para essa causa que urge abraçar, promover e solucionar, sob pena de desmantelarmos o futuro das gerações vindouras.

 

“ASPORTUGUESAS procuram também alertar os cidadãos para as questões ambientais do planeta, contribuindo com a sua pegada positiva para um futuro mais sustentável. Na verdade, damos muito valor à sustentabilidade, acompanhando de perto as preocupações generalizadas das sociedades quanto ao combate às alterações climáticas”

 

GC – O que motivou a criação de um flip-flop sustentável?

PA – Complementando a resposta anterior, a ideia surge sobretudo ligada ao fator sustentabilidade. Basta pensarmos na quantidade enorme de flip-flops que há no mundo (isto pensando que quase toda a gente tem uns flip-flops e todos de plástico). Facilmente se percebe que algo tinha de ser feito neste campo. ASPORTUGUESAS resolvem essa falha no mercado.

 

 

GC – Como são selecionados os materiais a serem incluídos nos sapatos? Concentram-se em cortiça de origem nacional?

PAExiste uma regra nesta empresa: dizemos não ao plástico, não utilizamos PVC nem PVC reciclado. Apenas matérias orgânicas e sim cortiça portuguesa.

 

GC – Quais são os desafios de manter-se uma produção exclusivamente nacional?

PA – Os produtos sustentáveis ainda têm um preço elevado. Tanto que não podemos comparar a cortiça com o plástico. O maior desafio está nas matérias-primas e nos seus custos.

 

GC – Onde é que se podem encontrar a marca ASPORTUGUESAS em Portugal? Estão disponíveis em lojas próprias ou lojas especializadas?

PA – Em Portugal, temos 272 lojas onde podemos encontrar ASPORTUGUESAS. Desde hotéis, restaurantes, todos os aeroportos do continente e ilhas, lojas multimarca e lojas ligadas ao turismo, etc. Também em instituições como o Oceanário, o Museu do Vinho, o Museu dos Coches, as caves de Vinho do Porto, etc.

 

GC – Em quantos países já vendem no total? Como tem evoluído a marca nos mercados internacionais?

PA – Hoje, ASPORTUGUESAS estão presentes nos quatro cantos do mundo, nomeadamente, em todos os estados dos Estados Unidos da América, Canadá, Japão, África do Sul, Filipinas, Austrália, Coreia do Sul, Nova Zelândia, China, Israel, Rússia, Dubai, Hong Kong, Taiwan e Barbados, para além de todo o continente europeu.

Publicidade

C&A

C&A finaliza um contrato para fornecimento de energia de origem 100% renovável em Portugal

Alibaba

China impõe sanção recorde ao Alibaba