A REVISTA DOS NEGÓCIOS DA DISTRIBUIÇÃO

A REVISTA DOS NEGÓCIOS DA DISTRIBUIÇÃO

Clube do Grande Consumo

Comecemos pelo princípio. E comecemos por uma pergunta relativamente básica: faz sentido, em 2020, insistir na distinção entre marcas de fabricante e marcas de distribuidor?

Se o pressuposto é o de que umas são marcas e outras o serão menos, julgo que é uma questão que, há muito tempo, nem sequer se coloca. Se levarmos a questão para uma suposta preferência do consumidor, expressa pela respectiva opção de compra, os números são inequívocos quanto à divisão das compras entre umas e outras marcas. Mais: todos os produtos de marca de distribuidores são fabricados… por um fabricante.

No entanto, se pensarmos naquelas que são as primeiras escolhas e as marcas que fazem mover o consumidor, já esta dicotomia parece fazer algum sentido e fará, mais ainda, se pensarmos na cadeia de aprovisionamento, na equação de valor que envolve, nas regras de acesso à prateleira ou nos critérios de escolha de quem coloca os produtos à disposição do consumidor.

Falar da relação entre marcas de fabricante (MDF) e de marcas de distribuidor (MDD) parece, nesta altura, fazer especialmente sentido quando, contrariando aquilo que parecia ser uma padrão que se vinha repetindo nos últimos anos, mês-após-mês (e que nos mostrava que a dinâmica do mercado assentava, em primeiro lugar, nas marcas de fabricante), desde meados de 2019 os dados mostram uma evolução muito mais fulgurante das marcas dos retalhistas do que das marcas de fabricante, parecendo mostrar uma alteração da atenção dispensada pelo “shopper” aos diferentes tipos de produtos.

Duas notas para os observadores menos atentos. Uma primeira para lembrar que, dividindo-se o mercado nestas duas tipologias de produtos, qualquer aumento da quota de uma delas corresponde, obviamente, na mesma justa e exacta medida à redução da outra, podendo isso acontecer em situações em que ambas apresentem, simultaneamente, crescimentos ou decrescimentos de vendas.

Uma segunda, para indicar que sendo o dono da marca de distribuidor também o dono da prateleira, as alterações da relação de forças entre os dois tipos de marcas corresponde – quase sempre – mais a uma alteração da estratégia do retalhista do que propriamente a uma alteração substancial da relação do consumidor com as diferentes marcas.

E quando vemos o que se tem verificado nos últimos meses, não é difícil constatar que, mais uma vez, assim é…

Coincidência, ou talvez não, a referida alteração da evolução das curvas de crescimento de MDD (mais acentuada) e de MDF (bastante mais ténue) coincide, no tempo, com a abertura de portas das primeiras lojas da Mercadona em Portugal, em julho do ano transacto. E se ainda não é o tempo para fazer uma avaliação consistente do grau de sucesso da entrada do gigante retalhista espanhol no mercado da distribuição alimentar em Portugal, é inegável que a sua aterragem na paisagem do retalho nacional gerou reacções e, logicamente, consequências.

A mais visível foi, sem dúvida, o reforço do foco de todas as insígnias nas suas próprias marcas.

Olhando para a publicidade na televisão e nos outros meios de comunicação, lendo os inúmeros comunicados de imprensa dos retalhistas a que os media vão dando eco, analisando os seus folhetos promocionais (que se multiplicam e nos saturam as caixas do correio) ou entrando nos sites de comércio electrónico dos diferentes operadores, ou correndo aquelas que são as primeiras sugestões em cada família de produtos, percebe-se, sem margem de erro, que a comunicação das insígnias, seja a virada para o consumidor, seja a endereçada à opinião pública, está completamente focada nas suas marcas próprias.

Para além disso, os retalhistas pressentem, cada vez mais, que a competição entre diferentes insígnias se faz pelas suas próprias marcas, pelo sortido, pela qualidade e pelos preços dos seus próprios produtos MDD, parecendo, por vezes, pensar que a sua maior ou menor oferta de marcas de fabricante não é suficientemente distintiva ou geradora de fidelização.

Mas este foco não se reflecte apenas na comunicação ou na competição inter-insígnias. Ele é também amplamente sentido no ponto de venda. Físico e digital. E as vendas, obviamente, acabam por reagir a essa pressão.

Desde logo, o aumento do espaço de prateleira destinado aos produtos de marca própria (e a consequente diminuição de área e a eventual saída de linear de produtos de marca de fabricante), mas também a multiplicação de produtos MDD em promoção ou a presença quase infinita dessas marcas quando se faz o “scroll” em qualquer página de e-commerce dos retalhistas.

E as consequências para as marcas de fabricante são óbvias: porque o seu espaço de prateleira diminui; porque em muitas lojas a escolha do consumidor se resume à opção entre a marca da insígnia e as chamadas marcas de ‘primeiro preço’ do retalhista; porque a escolha do consumidor em relação a estes produtos assenta, essencialmente, numa lógica de preço e ele é ‘empurrado’ para as MDD quando o diferencial de preços – via promoções, por exemplo – face aos produtos MDF aumenta. Sem nunca esquecer, como lembro sempre, que a escolha do consumidor está condicionada à escolha que o retalhista previamente realizou, dando uso ao poder que tem de decidir que produtos coloca à venda e a que preço os comercializa.

São tempos difíceis, estes, para os produtos de marca de fabricante, pressionados no preço, pressionados no ponto de venda, pressionados na comunicação com o consumidor. Tempos em que, mais ainda, têm que fazer valer o seu ADN: inovação, criatividade, comunicação, qualidade, sustentabilidade e ética.

Tempos em que as marcas que estiverem longe da vista, longe do cérebro, longe do coração e longe da carteira dos consumidores, perderão espaço e relevância num mercado em que partindo atrasado, muito dificilmente se consegue recuperar um espaço na cabeça do pelotão.

 

*o autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico

12 Março 2020
Pedro Pimentel
Diretor Geral Centromarca

Galeria de Imagens

Videos

Últimos Artigos

  • in

    IKEA abre centro de testes do coronavírus no Reino Unido

    Mais de nove mil pessoas deram positivo por coronavírus e estão, atualmente, a ser tratadas nos hospitais do Reino Unido. Perspetivando um aumento deste número, a IKEA decidiu apoiar  Sistema Nacional de Saúde (NHS, pelas suas siglas em inglês) e abrir um centro de teste de Covid-19 na sua loja em Wembley, no noroeste de […] Saber mais

  • in ,

    Sector do retalho chinês a caminho da total recuperação

    A Savills China Retail antecipa uma total recuperação do sector do retalho chinês pós-coronavírus na segunda metade do ano. A empresa imobiliária descreve a recuperação dos centros comerciais, restaurantes, ginásios e centros de entretenimento, cujos negócios foram afetados pelas quarentenas durante e após o Ano Novo Chinês, no final de janeiro. Os consumidores estão de […] Saber mais

  • in

    Symington e Esporão na lista das marcas de vinho mais admiradas do mundo

    A Symington Family Estates, produtora de vinhos na Região Demarcada do Douro desde o século XIX, está no top 10 das Marcas de Vinho Mais Admiradas do Mundo, em 2020. Nos  prémios anuais Drinks International, votados por um júri de peritos internacionais, a Symington garantiu a sétima posição, conseguindo um lugar entre quatro produtores europeus […] Saber mais

  • Publicidade

  • in

    Previsão de crescimento das TIC na Europa desacelera devido ao impacto do coronavírus

    O impacto da epidemia por Covid-19 na Europa aumentou rapidamente nas últimas semanas, com algumas economias bloqueadas e uma pressão crescente nos sistemas de saúde. A pandemia está a ter uma repercussão importante em várias indústrias e a reorganizar os investimentos em tecnologia, exercendo pressão sobre o gasto nalgumas áreas e aumentando a procura noutros. […] Saber mais

  • in

    CBRE apresenta as principais tendências do sector imobiliário para os próximos 10 anos

    Trabalho, “living” e investimento são os grandes eixos do Global Outlook 2030 – The Age of Responsive Real Estate, o mais recente estudo da consultora imobiliária CBRE, que analisa as 10 grandes tendências e desafios do sector para a próxima década. O estudo que acaba de ser lançado a nível global assinala que o mercado […] Saber mais

  • in

    Missão Continente apoia vítimas de violência doméstica

    A Missão Continente associa-se à Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade com a doação de bens alimentares e de higiene às estruturas e respostas de acolhimento para vítimas de violência doméstica e tráfico de seres humanos. No âmbito do decreto de estado de emergência para fazer face à pandemia por Covid-19, as entidades […] Saber mais

  • in

    Covid-19: Como o teletrabalho pode ser mais inclusivo

    A Adecco confirmou que, além de permitir que o trabalho continue durante a crise, o aumento do teletrabalho também traz benefícios para grupos sociais que, muitas vezes, foram excluídos do local de trabalho. Pessoas com deficiência ou responsáveis ​​por cuidar de crianças e idosos, migrantes e refugiados, assim como com recursos financeiros limitados, todas enfrentaram […] Saber mais

  • in

    Escolha do Consumidor integra dados do Portal da Queixa nas suas avaliações

    A ConsumerChoice – Centro de Avaliação da Satisfação do Consumidor e o Portal da Queixa by Consumers Trust assinaram um protocolo de parceria e colaboração com vista à integração de dados desta última nas métricas de avaliação da iniciativa Escolha do Consumidor. O Portal da Queixa passa a facultar informação estatística sobre marcas, nomeadamente relativas […] Saber mais

  • in

    Investigadores do INL resolvem problemas da adição de Ómega-3 em alimentos

    Os Ómega-3 são ácidos gordos essenciais reconhecidos pelos importantes benefícios que têm para a saúde, tais como a melhoria da saúde cardiovascular, diminuição de inflamações, melhoria da função cognitiva e um melhor desenvolvimento neurológico e visual. Nesse sentido, a indústria alimentar tem vindo a aumentar o interesse no enriquecimento de alimentos com ácidos gordos essenciais […] Saber mais

  • in

    Leroy Merlin cria novo modelo de atendimento

    A Leroy Merlin criou um novo modelo de atendimento com o objetivo de assegurar o acesso de famílias e empresas a bens e produtos considerados, por decreto governamental, como essenciais à sociedade e ao funcionamento da economia, garantindo, ao mesmo tempo, a máxima segurança de clientes, parceiros e colaboradores. O novo modelo permite manter o […] Saber mais

Carregar mais
Congratulations. You've reached the end of the internet.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Back to Top

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.