in

Michael Paetzold e Olivier Caste criaram Optiwine

O enólogo e o viticultor Michael Paetzold e Olivier Caste criaram o conceito Optiwine para desmistificar questões acerca do tempo de respiração, temperatura e decantação do vinho.

Invenção francesa, o Optiwine permite, graças a um processo patenteado único no mundo, revelar todas as qualidades gustativas do vinho. Inteiramente fabricado em França, e graças ao nano-arejamento, deixa descobrir todas as subtilezas aromáticas logo desde a abertura da garrafa e tornar a degustação mais intensa“, refere o comunicado.

Michael Paetzold, personalidade do mundo do vinho há mais de 25 anos e especialista em processos enotécnicos, pesquisou durante três anos para aperfeiçoar uma ferramenta e um método, o Optiwine. Depois de observar que um grande número de moléculas gustativas ficavam inexploradas durante a degustação, a sua investigação orientou-se para o nano-arejamento. Numerosas degustações comparativas efetuadas em mais de 300 vinhos permitiram desenvolver e afinar o produto.

O método Optiwine de nano-arejamento “traz uma quantidade de oxigénio até menos cem vezes que o método tradicional de abertura, deixando o vinho despertar com tranquilidade.”

Optiwine concebeu uma ferramenta totalmente dedicada: o “optiwiner”. Fabricado com uma resina topo de gama, sem qualquer interação molecular, possui a mesma transparência e macieza do cristal sem a sua fragilidade. É dotado de 16 facetas “que, graças ao seu efeito simultâneo, redistribuem harmoniosamente a quantidade otimizada de oxigénio”.

Optiwine é vendido ao preço unitário de 19 euros, ou em forma de coffret standard por 55 euros, com os três optiwiners específicos à idade do vinho.

Publicidade

IKEA espera abrir primeiras lojas na Índia em 2017

Adega de Vidigueira lança monocasta Alicante Bouschet