in

“A IKEA é uma empresa global com coração local”

Helena Gouveia - Marketing Manager Ikea Portugal

Com a missão de ser uma marca cada vez mais próxima da maioria das pessoas, a IKEA Portugal vai investir mais de seis milhões de euros na acessibilidade do preço dos seus artigos e na conveniência dos serviços até agosto de 2020. Ao todo, são 185 os produtos de várias gamas, e para todas as áreas da casa, que verão o seu preço reduzido, 130 dos quais já em agosto. Integrado na estratégia multicanal para o mercado português, a marca perspetiva, ainda, criar 14 novos pontos de recolha, operados por parceiros externos, onde as compras feitas online podem ser recolhidas por 25 euros. Vila Real, Castelo Branco e Palmela são os pontos de recolha a abrir já em setembro, complementando Viana do Castelo e Leiria, já em funcionamento. Ao redefinir os limites das áreas de entrega, a IKEA vai, ainda, reduzir os preços do serviço de entrega cerca de 33%. Helena Gouveia, Marketing Manager IKEA Portugal, explica o contexto em que surge a nova campanha “Todos temos direito ao design”.

 

Grande Consumo – A IKEA continua a “contar a história” e a “história” começa a ter efeitos práticos de todo o investimento feito, o ano passado, em tecnologia e na promoção da compra online…

Helena GouveiaTudo o que fizemos, o ano passado, é agora consolidado nesta nova abordagem. Aliado a isso, todo o investimento que a IKEA Portugal tem feito, para se poder baixar preços e, assim, garantir que a maioria das pessoas pode ter uma casa à medida dos seus sonhos. A nova campanha “Todos temos direito ao design” é exatamente isso. É um compromisso da marca com o seu investimento e, para além disso, traz soluções e ideias; não é somente um compromisso. Estamos juntos com os portugueses e queremos proporcionar as soluções certas para a sua vida em casa.

 

GC – Este investimento agora anunciado pode ser considerado um sinal da maturidade da operação da IKEA em Portugal? No limite, em causa estão 185 produtos até agosto de 2020…

HGExatamente. O grande investimento é agora, com 130 produtos, alguns deles já presentes no catálogo e que vão estar disponíveis na loja. É um investimento gigante, quer para Portugal quer para o mundo. O mundo tem os olhos postos em Portugal, devido a este investimento. A IKEA Portugal está a fazer um movimento que outros mercados não estão a acompanhar, considerámos que deveríamos fazê-lo e que o mesmo é o mais relevante para o nosso mercado. E, portanto, acreditamos que vai ser uma mais-valia, quer  para as pessoas que hoje não podem comprar soluções para a sua casa, quer para as outras que podem, mas que sentem orgulho em poder comprar numa marca que tem esse compromisso com o país.

 

GC – Uma aposta que pode não fazer tanto sentido noutros mercados, mas que fará sentido em Portugal. É também prova da flexibilidade operacional da companhia nos diversos mercados onde está presente?

HG – A IKEA é uma empresa global com coração local. E é isso que se reflete, quer do ponto de vista da estratégia de marketing, quer na perspetiva da estratégia comercial do negócio. E é um movimento muito bem visto e aplaudido na casa-mãe, este e outros movimentos que fazemos para chegar a mais pessoas. Sempre que ligamos a nossa marca, o nosso propósito, à nossa estratégia comercial, não só é motivo de satisfação, como tem resultados práticos.

 

GC – Como responsável de marketing da IKEA Portugal, o que é representa ter um nível de notoriedade equivalente ao da marca na sua casa-mãe, a Suécia?

HGMuito orgulhosa. Poder dizer que temos o “top of mind” mais alto do mundo, poder dizer que o “brand desire” está ao nível da Suécia, estamos os dois em número um, em ex aqueo, poder dizer que, em termos de penetração, temos ótimos valores deixa-nos muito orgulhosos. É um trabalho de 15 anos feito, resultado de uma equipa muito sólida no nosso país e de um grupo de parceiros incríveis. Só conseguimos isto com estas sinergias.

 

GC – As mesmas que estão a ser aplicadas no caso dos pontos de recolha e da logística. Este era um “handicap” da operação da IKEA em Portugal?

HGEra um ponto a desenvolver.

 

GC – Isto é só o início?

HGIsto é só o início. Temos imensos formatos e novidades para contar no próximo ano. Este é um novo passo. O de alguém que, por exemplo, vive em Palmela e vai poder comprar online e recolher as suas compras sem ter que vir a uma loja. O de alguém que está, por exemplo, em Viana do Castelo e pode ter uma experiência IKEA. Agora, o nível de experiência vai ser diferente, dependendo da localidade onde se vive. Queremos que a relação com a marca seja igual, portanto, é isso que vamos trabalhar.

 

GC – São esses os “key points” que esta nova campanha vem agora contar?

HGExatamente. Todos temos direito. O país inteiro tem acessibilidade ao design com a marca. A mensagem é como é que conseguimos que os preços não sejam um impedimento para que se possa ter uma vida melhor em casa.

Publicidade

Publicidade

Lidl cria hambúrguer vegan de marca própria concorrente da Beyond Meat

IKEA investe mais de seis milhões de euros para reduzir o preço dos seus produtos