Ecologistas acusam Coca-Cola, Pepsi e Nestlé de contaminação

Ecologistas acusam Coca-Cola, Pepsi e Nestlé de contaminação

11 OUTUBRO 2018
As 10 empresas que mais contaminam os oceanos com plásticos são fabricantes de produtos de grande consumo, segundo um estudo do movimento Break free from Plastic que destaca a Coca-Cola, a Pepsi e a Nestlé.

Este movimento conta com o apoio de mais de seis mil pessoas e mais de 1.300 organizações e grupos defensores do meio ambiente, como a Greenpeace, GAIA e Zero Waste. Surgiu em 2016, com o objetivo de assegurar um futuro livre de plásticos.

Mais de 10 mil voluntários levaram a cabo, entre 9 e 15 de setembro, 293 ações de limpeza de plásticos da natureza. No total, recolheram mais de 187 mil peças de plástico, 65% das quais correspondentes a embalagens de produtos de grandes corporações mundiais. Para além das três já referidas, Danone, Mondelez, Procter & Gamble, Unilever, Perfetti van Melle, Mars Incorporated e Colgate-Palmolive completam o top 10.

Von Hernandez, coordenador global do movimento Break free from Plastic, apresentou o estudo em Manila e lamentou “o papel das grandes corporações em perpetuar a contaminação mundial de plástico”. No seu entender, estas empresas podem ser parte do problema ou da solução. “Se continuarem a utilizar nos seus produtos embalagens de plástico desnecessárias, continuarão a contribuir para o seu fabrico e, portanto, para a contaminação”.

O estudo destaca que 100 mil peças recuperadas eram de materiais de difícil ou impossível reciclagem, como o poliestireno, o PVC, o PET ou o filme plástico de uma única utilização. De acordo com o movimento, a produção de plástico alcançou os 320 milhões de toneladas métricas ao ano e, na próxima década, deverá crescer 40%.