NOTÍCIAS MAIS LIDAS
EDIÇÃO ONLINE
YET
A Melhor Loja

Portugueses procuram mais produtos tissue de valor acrescentado

Portugueses procuram mais produtos tissue de valor acrescentado

13 JUNHO 2018
Num ano em que os Fast Moving Consumer Goods (FMCG) reforçaram o seu dinamismo, com um aumento de 4% face ao período homólogo, também os mercados de papel acompanharam este crescimento (+3%). Esta tendência dos mercados em valor reflete a boa evolução dos produtos de maior valor acrescentado, mas comprova também uma maior procura por conveniência, que é também observada na generalidade dos bens de grande consumo. Veja-se o caso dos lenços faciais, a única categoria deste universo a crescer tanto em volume (+8%), como em valor (+15%).

As vendas de produtos tissue para o lar, em Portugal, registaram uma evolução positiva, em 2017, mais em valor do que em volume. E também mais numas categorias que outras. Uma inversão face há situação observada há uma década, com o consumidor a estar mais disponível para comprar produtos de valor acrescentado.

A principal categoria do universo de produtos de papel, o papel higiénico, é um bom espelho destas tendências. Em 2017, ganhou valor, atingindo os 105,8 milhões de euros no total do ano, que representam um crescimento de 3% em relação ao período homólogo, segundo os dados Nielsen Market Track findos à semana 52/2017 (em volume, registou-se uma ligeira queda de 1%, para os 727,1 milhões de unidades).

A contribuir para este crescimento, estiveram sobretudo as folhas tripla e quádrupla, esta última com maior dinamismo em 2017 (+9%), comprovando uma maior procura por produtos mais caros e de qualidade. “Os consumidores estão a apostar nos produtos mais premium. Quando existem ações promocionais, os consumidores aproveitam-nas. Mas, fora destas, estão-se a focar nos produtos premium e de maior valor. O consumidor está a aperceber-se e a começar a valorizar produtos mais qualitativos. Daí a evolução dos produtos compactos, dos produtos de três e quatro folhas”, confirma Luís Saramago, diretor de marketing da Renova.

A evolução das promoções não está a crescer ao mesmo ritmo de outros anos recentes, o que está a permitir injetar algum valor no mercado. Não obstante, continuam a ter um peso muito importante nas vendas de produtos tissue e no suporte ao dinamismo das marcas de fabricante.

Talvez derivado deste arrefecimento, a generalidade das categorias viu os seus volumes contrair em 2017. Os lenços de papel perderam 5% em volume e em valor, os rolos de cozinha venderam menos 2% de unidades, embora tenham crescido 1% em valor, e os guardanapos estabilizaram na faturação, mas recuaram 1% em unidades. A exceção a esta tendência são os lenços faciais, ainda presentes em apenas 15% dos lares portugueses, que registaram uma variação positiva de 8% em volume, para os 39,5 milhões de embalagens, e 15% em valor, para os 2,8 milhões de euros.

É nestes produtos mais qualitativos, para os quais o consumidor está mais predisposto à compra em épocas de maior confiança na economia, que se pode incorporar valor acrescentado ao mercado, porque são também mais vocacionados aos consumidores mais sensíveis a essa inovação. “Quem compra produto muito básico está à procura de preço e apenas isso. Quem compra um produto mais qualitativo procura sempre obter, para além da performance do produto, um benefício intangível, com o qual se identifique, um valor que influencie a escolha de determinado produto em detrimento de outro”, defende Luís Saramago, que acredita que existe mercado para ambos os universos.

A diferenciação, essa obtém-se através da identificação com o que é valorizado pelo consumidor. “E ver até que ponto é possível incorporar nestes produtos algum valor que seja percebido por ele, com o qual ele se identifique e que acabe por influenciar a sua escolha no momento da compra”. A oferta tem de ser muito clara e a mais-valia do produto tem de ser facilmente percebida. “O objetivo é que isso não só influencie a escolha do consumidor, como também o satisfaça, o fidelize e que o surpreenda. Todos gostamos de ser surpreendidos”, conclui Luís Saramago.

Este artigo foi publicado na edição n.º 49 da Grande Consumo.