Produtor dos Açores aposta na exportação de leite de burra

12 FEVEREIRO 2018
O leite de burra é um novo nicho agroalimentar em tendência de crescimento, que também está alastrar a Portugal. A Asinus Atlanticus, uma quinta localizada nos Açores, produz o leite de burra liofilizado, ou seja, em pó, para consumo humano. 

Participada pelo fundo de investimento público Portugal Ventures, a Asinus Atlanticus tem sede em Angra do Heroísmo, tendo para aí levado burros autóctones, protegidos por lei, da ilha Graciosa. Está agora na fase de tentar exportar este produto, pelo que vai marcar presença na Biofach, a maior feira mundial de produtos alimentares orgânicos, que se realiza em Nuremberga, na Alemanha, de 14 a 17 de fevereiro. A Biofach é visitada todos os anos por mais de 50 mil visitantes, a maioria deles com o propósito de estabelecer novas relações comerciais, dispondo de uma área exibicional de cerca de 38 mil metros quadrados.

Segundo os responsáveis da Asinus Atlanticus, que produz, transforma e comercializa este produto, o leite de burra foi reconhecido pela comunidade científica “como o mais idêntico ao leite materno humano”, sendo considerado “como um superalimento natural com propriedades nutricionais e com benefícios diretos para a saúde”. O leite de burra está aconselhado para crianças com alergias às proteínas de leites tradicionais (de vaca, cabra, ovelha ou soja, por exemplo); crianças em geral, para fortalecer o seu crescimento; idosos com problemas de osteoporose; convalescentes e pessoas em geral que pretendam uma alimentação saudável e natural.

De acordo com os especialistas, o leite de burra é rico em vitamina C. Os responsáveis da Asinus Atlanticus garantem que o seu produto contém até duas vezes mais Omega 3 (com uma proporção ideal entre Omega 3 e Omega 6), graças à alimentação dos animais feita à base de pastagens verdes dos Açores.

O leite de burra da Asinus Atlanticus apresenta quatro vezes menos gordura e três vezes menos sódio, terminando num “sabor doce natural que o torna mais agradável e aceitável”.

Em Portugal, ainda não existem dados estatísticos sobre o consumo humano de leite de burra. A Asinus Atlanticus foi fundada em 2012 e tem vivido da venda de leite orgânico de burra para a indústria cosmética, sendo toda a sua produção para exportação. Agora, a empresa com base nos Açores tem uma previsão de produção de meia tonelada de leite liofilizado, até ao momento, totalmente para mercados externos.

Na Europa, onde existem cerca de 15 a 20 quintas produtoras de leite de burra liofilizado, o país com maior consumo é a Itália. Por todo o Médio Oriente e Índia, o consumo de leite fresco é normal.

Os principais clientes do leite de burra são as indústrias cosméticas de França, apesar da tendência de consumo se estar a tornar cada vez mais geral. No segmento alimentar, os principais consumidores são os países de área de influência do império romano.

Quase todos os investimentos nas empresas produtoras deste nicho de mercado florescente são provenientes de sociedades de capitais de risco e de fundos de investimento, como é o caso da Asinus Atlanticus.