Resultados da Auchan abaixo das expectativas

6 SETEMBRO 2017
A Auchan Holding dececiona com os seus resultados no primeiro semestre do ano, ao não atender às previsões de receita da empresa. Os primeiros seis meses do ano foram estáveis, com um toque positivo, com um lucro líquido consolidado de 26,5 mil milhões de euros, um aumento de 2,1% às taxas de câmbio atuais, que é +0,2% a taxas de câmbio constantes. A empresa diz que, na Espanha, as coisas estão a correr muito bem, com "uma recuperação do crescimento".

Durante a primeira metade do ano, a Auchan Holding destaca os bons resultados na Europa Ocidental graças a Espanha e a Portugal, embora não detalhe os números em ambos os países. No entanto, as receitas na França caíram 0,7%, o que prejudica a empresa, apesar do crescimento no país vizinho de lojas de conveniência e pontos de venda. Excluindo os dados da França, a Auchan Holding observa que na Europa Ocidental cresceu 0,8%, enquanto na Europa Oriental o crescimento é de 11,2%, com dados sólidos na Hungria, na Ucrânia e especialmente na Roménia.

Foi na distribuição onde a Auchan ganhou mais receita: um total de 25,9 mil milhões de euros (+2,1% em moeda local e +0,1% a taxas constantes), superando assim os 25,4 mil milhões de euros do mesmo período de 2016. Destaca-se o papel da Espanha, onde Alcampo e Simply (56 hipermercados e 121 supermercados) têm uma importante "subida de crescimento", mostrando um aumento no rendimento. Novamente, não dá figuras concretas.

Wilhelm Hubner, diretor geral da Auchan Retail, reconhece que os resultados semestrais, e especialmente as receitas, "não atendiam às expectativas". "No entanto, a grande maioria dos países viu o crescimento da receita, particularmente na China, onde a cada ano confirmamos a nossa posição como um importante jogador ‘phygital’”, acrescentou.

"Embora os primeiros seis meses representem menos de 40% do Ebitda e menos de 20% do lucro do ano, esses resultados provisórios confirmam a importância do alto grau de dedicação demonstrado por todos os funcionários para alcançar, em todos os nossos países, os nossos objetivos de negócios de fim de ano".

Hubner assinala que a nova dinâmica da empresa e as 2.500 lojas de conveniência e ultra-conveniência em todo o mundo (próprias e franqueadas) que atualmente convergem sob uma marca única por país e cujas primeiras transformações estão a ter sucesso comercial, “são o sólido pedestal em que nos apoiaremos para acelerar a nossa expansão multi-formato para melhor servir os nossos clientes".